Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA e Japão proíbem Galaxy Note7 nos aviões, a TAP apenas o uso

EUA e Japão proíbem Galaxy Note7 nos aviões, a TAP apenas o uso
Tamanho do texto Aa Aa

Depois dos Estados Unidos, agora também o Japão decidiu banir por completo o Samsung Galaxy Note7 de todos os aviões, na sequência do problema que afeta a bateria do aparelho e que levar o aparelho a pegar fogo.

Por motivos de segurança, o Ministério dos Transportes nipónico ordenou às companhias aéreas para proibirem totalmente o embarque do mais recente “smartphone” da fabricante coreana nos aviões a voar de e para o Japão.

A decisão sucede à dos Estados Unidos, onde o Galaxy Note7 está proibido desde o meio-dia de sábado (17 horas em Lisboa) pelo regulador federal da aviação em todos os voos no país.

Na Austrália e na Nova Zelândia, assim como em diversas das maiores companhias asiáticas de aviação, o Galaxy Note7 também foi banido dos aviões.

À imagem do que ainda sucede com a Korean Air, em Portugal, a TAP mantém a permissão dos passageiros viajarem nos respetivos aviões com um Galaxy Note7 desde que o aparelho esteja desligado e que não seja recarregado durante o voo.

Embora a própria Samsung tenha suspendido na semana passada a produção do aparelho e aconselhe os clientes a deixarem de usar o Galaxy Note7, e embora a Agência Europeia de Segurança na Aviação também tenha consequentemente atualizado as recomendações, a informação exibida na página oficial da Transportadora Aérea de Portugal na internet informa que o uso deste “smartphone” a bordo dos aviões está apenas proibida para os aparelhos adquiridos antes de 15 de setembro.

“Caso tenha adquirido este modelo de telemóvel após 15 de setembro (inclusive), poderá usá-lo normalmente, tal como usaria outro smartphone”, informa a TAP, quatro dias após a própria marca ter começado a recomendar aos clientes para “desligar” os aparelhos e “contactar” os intermediários a quem compraram o “smartphone”.

“Pedimos aos clientes finais que tenham um Note7 (inicial ou de substituição) para desligar o seu equipamento (devendo ter o cuidado de fazer previamente uma cópia de segurança dos seus dados) e entregá-lo na loja onde o tenham adquirido”, lê-se na nota da marca, que finaliza com uma garantia: “Gostaríamos de tranquilizar todos os nossos clientes de que o Note7 é o único telefone Samsung afetado.”