Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estado da União: o adeus de Schulz e a tensão com a Turquia

Estado da União: o adeus de Schulz e a tensão com a Turquia
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de dois mandatos como presidente do Parlamento Europeu, o alemão Martin Schulz deixa Bruxelas. Este é o tema de abertura do “Estado da União”, programa que passa em revista a atualidade europeia da semana.

Martin Schulz, peso pesado da política europeia cuja carreira se fez entre Bruxelas e Estrasburgo, será candidato social-democrata no estado alemão da Renânia do Norte-Vestfália, nas eleições parlamentares no próximo ano.

Reunido em plenário, esta semana, o Parlamento Europeu desafiou o governo de Ancara. A grande maioria dos eurodeputados pede a suspensão temporária das negociações de adesão da Turquia à União Europeia.

As autoridades turcas classificaram a decisão como “insignificante, nula e sem efeito”. O enviado da euronews a Estrasburgo, Sandor Zsiros, entrevistou Kati Piri, eurodeputada holandesa e relatora para as relações com a Turquia.

No Parlamento Europeu esteve, também, David Davis, ministro britânico encarregado do Brexit, para fazer um balanço com os eurodeputados, mas teve uma recepção gelada.

No programa falamos, ainda, do relatório sobre a saúde na Europa publicado conjuntamente pela Comissão Europeia e pela OCDE, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.

A expetativa média de vida aumentou na Europa: em 1990 e era de 74,1 anos e em 2014 um pouco mais de 80 anos. Em média, as mulheres vivem 83 anos e os homens chegam aos 78 anos.

Destaques na agenda da próxima semana:

- 30 de novembro: a Comissão Europeia apresentará a estratégia sobre o mercado da energia na União Europeia

- 2 de dezembro: os partidos Verdes europeus tem um congresso, em Glasgow

- 4 de dezembro: repetição das eleições na Áustria, depois de irregularidades em julho. O primeiro-ministro italiano Matteo Renzi também joga o seu futuro político no referendo constitucional