Última hora

Última hora

Pequim rejeita sugestão de militarização indevida do Mar do sul da China

Pequim rejeita sugestão de militarização indevida do Mar do sul da China
Tamanho do texto Aa Aa

A China está a instalar sistemas militares de defesa antímísseis e antiaéreas num conjunto de ilhas artificiais que criou no Mar do Sul da China, um território marítimo composto por centenas de ilhas, ilhéus, atóis e recifes também reclamado por nações vizinhas.

A riqueza piscatória da zona, mas também a suspeita de ali existirem grandes reservas de gás e petróleo fez estalar uma disputa territorial pelo arquipélago Spratly (conhecido na China como Nansha Qundao) entre Pequim e os outros países banhados pelo Mar do Sul da China: a Malásia, as Filipinas, Taiwan, o Brunei e o Vietname.

As provas do reforço militar chinês no Mar do Sul da China estão nas imagens de satélite partilhadas em baixo e divulgadas esta semana pela Iniciativa de Transparência da Ásia Marítima (AMTI, na sigla original), um grupo de investigação ligado ao Centro norte-americano de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), sediado em Washington.

South China Sea Islands

A China não só não nega a instalação das defesas militares como garante ser um direito que lhe assiste pelas leis internacionais, considerando o Mar do Sul da China como território chinês.

“Gostaria de reiterar: as ilhas do Mar do Sul da China são território chinês. A construção de infraestruturas e dos necessários sistemas de defesa no respetivo território é perfeitamente normal. É um direito de qualquer nação soberana, de acordo com a lei internacional”, referiu Geng Shuang, porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiro.

No meio deste género de guerra fria pelo território têm havido alguns episódios mais quentes como por exemplo, há dois anos e meio, entre um barco da guarda marítima chinesa e um navio vietnamita, num confronto já recorrente naquelas águas.

O Vietname, aliás, também tem vindo a reforçar as suas infraestruturas no arquipélago do Mar do Sul da china. O AMTI publicou há cerca de um mês outro conjunto de fotografias de satélite revelando o alargamento de uma aparente base aérea numa das pequenas ilhas do arquipélago Spratly/ Nansha, onde a aparente pista de aterragem deverá prolongar-se por 1,2 quilómetros quando concluída.

O grupo de investigação ligado ao CSIS descrevia este reforço das infraestruturas vietnamitas como “uma resposta às construções militares da China nas ilhas Spratly” e citava um artigo da Reuters em que se noticiou a mobilização discreta por Hanói de lança mísseis também para aquela região.