EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Sobrevivente do ataque em Istambul: "Ele disparou contra quem se protegia no chão"

Sobrevivente do ataque em Istambul: "Ele disparou contra quem se protegia no chão"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

François Al-Asmar, um cristão libanês, ouviu um primeiro tiro e pensou que fosse um bébado zangado, mas sentou-se, escondido atrás de uma mesa e acabou ferido, atingido num ombro.

PUBLICIDADE

A larga maioria das mais de 600 pessoas presentes na festa de Fim e Ano da discoteca Reina, em Istambul, sobreviveu ilesa ao ataque reivindicado pelo grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico (“Daesh”/ ISIL).

Alguns escaparam atirando-se às águas do Bósforo, nas margens do qual se situa este famoso clube noturno turco, frequentado por diversas personalidades internacionais, incluindo futebolistas, e vinculado ao lema multicultural “Um Passaporte para a União Europeia.”

Alguns dos sobreviventes deixaram a discoteca entre os mais de 60 feridos registados, atingidos pelo suposto “jihadista”, que escapou após o rápido ataque à discoteca.

Entre os feridos, encontrámos François Al-Asmar, um cristão libanês ferido, que nos recorda o que viveu na discoteca Reina, de Istambul, entre as 01:15 e as 01:23, de domingo, um de janeiro de 2017, uma madrugada que esperava ser de festa e acabou num trágico e bem real pesadelo, com um ferimento de bala num ombro.

***“Ele disparou um único tiro e eu pensei que fosse apenas alguém zangado ou bêbado a disparar a própria arma. Mas alguns segundos depois, ouvimos uma metralhadora. Já estávamos deitados no chão desde o primeiro tiro. Eu estava escondido atrás de uma mesa, sentado no chão, mas o meu ombro devia estar à vista do atirador. Ele estava a disparar contra quem se protegia no chão, não estava a disparar para o ar, mas para o chão onde muitos de nós estávamos. Se eu estivesse deitado ao comprido, no chão, teria sido atingido por todo o corpo. Mas eu estava sentado e ele alvejou-me. Não durou muito tempo. Quando fui atingido, deixei-me cair e fingi-me de morto para que ele não voltasse a disparar contra mim.”***François Al-Asmar, sobrevivente libanês do ataque em Istambul.

“I acted dead so he didn't continue shooting me.”
Francois al Asmar survived the Istanbul nightclub attack early New Year's morning. pic.twitter.com/H5EvTjgnSx

— TRT World (@trtworld) 2 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque de Istambul: Funerais de vítimas islâmicas já estão a decorrer

Ataque de Istambul: O filme dos acontecimentos

Turquia: Grupo terrorista Estado Islâmico reivindica ataque em discoteca de Istambul