Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Trabalhar e ter filhos na Europa de hoje

Trabalhar e ter filhos na Europa de hoje
Tamanho do texto Aa Aa

Conjugar vida pessoal com vida profissional é sempre um desafio, mas se houver filhos na equação então as coisas ficam bastante mais complicadas. O Real Economy foi até Malta para falar das diferentespolíticas de incentivoaos progenitores numa Europa que precisa desesperadamente de tomar medidas para enfrentar o envelhecimento da população.

Alguns dados essenciais: na Europa, há menos mulheres a trabalhar do que homens; a percentagem é mais reduzida do que no Japão, nos Estados Unidos ou na Suíça, e prevê-se que esse cenário não mude até 2038; há diferenças acentuadas entre alguns países europeus, como Finlândia e Malta, por exemplo; a disparidade aumenta ainda mais quando as mulheres têm filhos; nalguns casos, a diferença pode atingir os 30%; já os homens têm tendência a trabalhar mais quando são pais para compensar a redução de rendimentos em casa.

As ajudas que cada país oferece aos progenitores também podem pesar na decisão de procriar. Na Irlanda e no Reino Unido, um casal com dois filhos que trabalhe a tempo inteiro gasta cerca de 40% do salário médio em infantários. Mas na Áustria, Suécia, Estónia, Portugal e Espanha esse número cai para os 5%. Ou seja, mais de metade das mães europeias afirma que estas despesas são um fator determinante na altura de decidir voltar ou não a trabalhar nos primeiros anos de maternidade. A jornalista Fanny Gauret preparou uma reportagem sobre todos os elementos a pesar nesta balança.

“Os pais deviam ter as mesmas oportunidades que as mães”

O dia começa muito cedo para esta família maltesa com 3 filhos pequenos. Ambos os pais trabalham. Nesta ilha mediterrânica, 4 em cada 5 homens trabalham; mas apenas metade das mulheres integra o mercado laboral. Em 2014, Malta passou a oferecer educação pré-escolar gratuita para os pais empregados, permitindo uma poupança média anual de mais de 3 mil euros por família.

“Há muitas vantagens. É mais fácil para a mãe poder regressar ao trabalho, se for essa a sua vontade. É óbvio que é mais confortável financeiramente”, diz-nos o pai, Bernard Vella, arquiteto.

As novas medidas geraram um aumento de 7% na percentagem de mães maltesas a regressar ao trabalho após a maternidade. “No caso do meu segundo filho, regressei ao trabalho ao fim de 4 meses; no caso dela, ao fim de 6. Posso trabalhar mais horas, mas prefiro não o fazer. Tive o meu primeiro filho na Austrália. Os infantários estavam cheios, tivemos de arranjar uma babysitter que custava 250 dólares por dia. Por isso, decidimos que era melhor regressar a Malta”, explica a mãe, Mairi Vella, pediatra.

O contexto europeu é diversificado. No setor privado em Malta, por exemplo, os progenitores têm direito a uma licença mínima de 4 meses sem salário. A licença de maternidade é de 18 semanas. Como é que as empresas olham para esta questão?

“Nós consideramos que este tipo de questões deve ser analisado caso a caso, em vez de termos medidas legislativas que são impossíveis de aplicar na prática. O ideal seria estabelecer um denominador comum que pudesse ser implementado em todos os países, tendo em conta os diferentes mercados de trabalho, sem provocar efeitos adversos. E esse é o grande desafio da harmonização”, afirma Joseph Farrugia, presidente da Associação Patronal de Malta.

Segundo Mairi Vella, “os pais deviam receber mais apoios e ter as mesmas oportunidades que as mães. Às vezes, é a mãe que traz para casa o salário mais elevado. Eu trabalhei muito para poder ter uma carreira, estudei muito. Por isso, não vou desistir. E agora as coisas tornaram-se menos difíceis”.

Os ganhos graças ao aumento de mulheres trabalhadoras devido aos apoios sociais em Malta são estimados em 2 milhões de euros.

Um retrato europeu

A maioria dos países europeus tem-se debruçado sobre os aspetos da crise financeira, adiando mudanças nas licenças parentais. Vamos fazer um curto apanhado da situação atual e das alterações consideradas necessárias.

  • O direito à licença parental está contemplado na legislação europeia.
  • A média de licenças de maternidade é de 17,5 semanas.
  • Alguns países são mais generosos em tempo e dinheiro.
  • Outros decidem em função do número de filhos.
  • A licença pode ser partilhada entre os progenitores.
  • Mas apenas 10% dos pais usufrui da licença de paternidade.
  • Na licença parental obrigatória, os pais italianos têm apenas 1 dia e os eslovenos… 90.
  • Em alguns países, não se pode optar pela licença de paternidade.

A visão de Edward Scicluna, ministro das Finanças de Malta

Maithreyi Seetharaman, euronews: O ministro das Finanças maltês vai ajudar-nos a perceber o quadro geral relativo às ajudas atribuídas aos pais aqui. Qual tem sido o impacto na economia e no emprego das medidas de apoio que têm aplicado?

Edward Scicluna: O impacto foi o esperado, suplantou mesmo as expetativas. A participação feminina no mercado de trabalho aumentou bastante. Mas é preciso olhar para o contexto: a presença das mulheres era reduzida e, apesar dos argumentos relacionados com a religião e a cultura, a verdade é que havia obstáculos. Os custos de enviar os filhos para um infantário eram muitas vezes superiores ao salário da mãe, portanto não lhes interessava.

euronews: E no que diz respeito às licenças de paternidade e maternidade?

ES: A licença de maternidade também foi tida em conta. Considerámos que prolongar a licença por mais 4 semanas teria um efeito muito positivo. Houve também outras reformas que visaram as famílias mais desfavorecidas, que podem ter salários e continuar a receber parte das ajudas: dois terços no primeiro ano, 45% no segundo, e por aí fora… Isso ajudou a diminuir o número de desempregados de longo prazo que existem em Malta.

euronews: Continuamos à conversa com Edward Scicluna. Como é que os sindicatos e o patronato se têm debatido com esta questão do regresso das mulheres ao trabalho?

ES: É possível criar um entendimento se mostrarmos um contexto geral que é do interesse de todos. Mas é preciso consultar as partes em questão, não se pode impor as coisas à força e depois esperar para ver as reações.

euronews: Quais são as ferramentas que os progenitores necessitam para facilitar o regresso das mulheres ao trabalho após a maternidade?

ES: Alguns países estão mais avançados do que outros nesta questão do regresso das mulheres ao mercado laboral e da licença de maternidade. Depende muito do grau de desenvolvimento do país. Mas há muitos países que podem consolidar o mercado com mais força de trabalho através dos apoios sociais. No nosso caso, baixámos os impostos sobre os rendimentos e deslocámo-los progressivamente para o consumo. Isso beneficiou sobretudo a classe média, que enfrenta uma carga fiscal pesada. É uma lógica muito simples, mas muito eficaz.