A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Efeitos do Brexit não se refletem, para já, na economia britânica

Efeitos do Brexit não se refletem, para já, na economia britânica
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A economia britânica resiste e contraria as previsões de desaceleração após a vitória do Brexit.

Segundo o gabinete britânico de estatística, no final do ano passado, o PIB cresceu 0,6%, tal como nos dois trimestres precedentes. No conjunto do ano, a economia progrediu 2%, duas décimas menos do que em 2015.

Face aos dados, o ministro das Finanças, Philip Hammond, destacou a resistência da economia, mas relembra que o Reino Unido tem pela frente um período de incerteza, devido às negociações com Bruxelas.

No mercado, a libra valorizou face ao dólar e atingiu máximos de seis semanas. Em alta estão também as taxas de juro das obrigações britânicas a dez anos, que atingem valores de meados de dezembro.

Em termos de setores destaca-se o dos serviços que, graças ao consumo das famílias, teve uma progressão anual de 3%. A subida foi menor na indústria (1%) e na construção (0,8%). Já a agricultura desacelerou (-1,6%) face ao quarto trimestre de 2015.

Mas muitos economistas continuam a prever uma desaceleração económica.

A desvalorização da libra, na ordem dos 20% desde junho, fez subir a inflação. As empresas viram subir os custos operacionais e os analistas estimam que este ano a subida dos preços vai afetar o bolso dos consumidores.