EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

ONU alerta: "No Iémen, sete milhões de pessoas não sabem quando vão comer"

ONU alerta: "No Iémen, sete milhões de pessoas não sabem quando vão comer"
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As Nações Unidas querem angariar 2,1 mil milhões de dólares em ajuda humanitária urgente.

PUBLICIDADE

No Iémen, além da guerra, paira o fantasma da fome. A ONU diz que há mais de 12 milhões de pessoas numa situação de emergência humanitária no país e mais de sete milhões em risco de fome.

As Nações Unidas lançaram um apelo internacional para angariar 2,1 mil milhões de dólares para o Iémen. O país está há dois anos envolvido numa guerra entre os rebeldes houthis, apoiados pelo Irão, e uma coligação internacional liderada pela Arábia Saudita.

“Neste momento, o Iémen é um dos países mais instáveis do mundo, em termos de comida. 7,3 milhões de pessoas não sabem de onde virá a próxima refeição. Se não houver uma ação imediata, apesar dos atuais esforços humanitários, a fome generalizada é uma possibilidade real para 2017. A malnutrição prolifera e está a crescer a um ritmo alarmante”, alerta Stephen O’Brien, coordenador da ONU para as ações humanitárias.

A situação que se vive no Iémen afeta particularmente as crianças. Segundo a UNICEF, só no ano passado morreram 63 mil crianças de causas evitáveis, ligadas à guerra e muitas vezes envolvendo malnutrição. Ao todo, quase 19 milhões de iemenitas, ou seja, mais de um terço da população, estão neste momento a precisar de assistência.

Girls, boys, women, men in #Yemen are dying of malnutrition & diseases that could be easily preventable & treatable pic.twitter.com/JojUagk70G

— WHO (@WHO) February 8, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Dois soldados israelitas mortos em ataque do Hamas na Faixa de Gaza

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades