Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas diz que Portugal continua em "desiquíbrio económico excessivo"

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
euronews_icons_loading
Bruxelas diz que Portugal continua em "desiquíbrio económico excessivo"
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal é um dos Estados-membros mais preocupantes no que toca aos desiquilíbrios económicos excessivos, revelou a Comissão Europeia na chamada análise do semestre europeu.

Durante a apresentação, esta quarta-feira, teve destaque o chamado motor económico do bloco, com o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, a realçar que “a Alemanha começou, no ano passado, um relançamento do investimento público, tal como queríamos”.

“Mas é preciso fazer mais e vamos acompanhar de perto a evolução dessa situação, que é crucial para a zona euro. Na primavera, faremos as recomendações necessárias e, de seguida, uma nova avaliação com base na ação do novo governo que será eleito, o que permitirá uma visão mais clara”, acrescentou Pierre Moscovici.

Ao nível das maiores economias da zona euro, além do aumento do investimento público na Alemanha, é necessária a redução do défice em França e a estabilização da dívida pública em Itália.

Na generalidade dos Estados-membros, tem havido melhorias nas reformas estruturais, controlo orçamental e fomento do investimento.

Mas 12 países, dos quais Portugal, devem incluir mais esforços nos Programas Nacionais de Reformas, a apresentar em abril.

No relatório sobre a economia portuguesa, Bruxelas analisa o trabalho de Portugal para acolher as recomendações feitas em 2016 e conclui que, “no geral, Portugal fez progressos limitados” e refere mesmo que “não foi feito qualquer progresso para reestruturar a sustentabilidade das empresas detidas pelo Estado, especialmente nas do setor dos transportes”.

A Comissão Europeia adverte, também, que os altos níveis de endividamento público e privado, o elevado volume de crédito malparado, o desemprego alto e a fraca produtividade são vulnerabilidades de Portugal, que continua a “registar desequilíbrios excessivos”.