Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Vida em Marte pode ser possível mesmo sem água

Vida em Marte pode ser possível mesmo sem água
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Atacama, no Chile, é o deserto mais seco e mais antigo da terra. O território formado há 150 milhões de anos está atualmente a ser estudado por uma equipa de investigadores chilenos devido à sua similitude com Marte.

Se conseguirmos demonstrar que no deserto de Atacama, com base nas provas atuais, a vida consegue tolerar a seca extrema e funcionar nessas circunstâncias, isso aumentaria tremendamente as possibilidades de encontrar vida não só em Marte mas também noutras partes do universo.

Tal como o planeta vermelho, o clima de Atacama é extremamente seco, o que não impede a existência de formas de vida. A hipótese avançada pelo astrobiólogo chileno Armando Azua é que a existência de água em Marte não é um pré-requisito à existência de vida.

“Até há pouco tempo, acreditava-se que nas áreas de Marte em que foram encontradas provas da existência de água haveria mais probabilidades de encontrar vida. O que nós afirmamos agora é que mesmo nas áreas onde aparentemente era impossível haver vida por serem áreas secas, é possível encontrar vida porque encontrámos lugares na terra tão secos como Marte mas que foram colonizados por uma grande variedade de micro-organismos, explicou o cientista chileno.

Os cientistas chilenos encontraram setenta espécies de micro-organismos no deserto de Atacama. A pesquisa suscitou o interesse da NASA. A agência espacial norte-americana anunciou que vai enviar uma equipa ao Chile para estudar de perto os resultados da investigação.

“Estamos a caracterizar o deserto de Atacama para perceber como é se sobrevive com uma pequena quantidade de água e quais são os mecanismos moleculares e genéticos que explicam esta tolerância extrema à falta de água.
Queremos perceber o mecanismo de sobrevivência num local tão seco e analisar as implicações da existência de um tal mecanismo. Este conhecimento ajuda-nos a perceber a possibilidade de encontrar formas de vida similar em Marte, que tem características próximas das do deserto. Basicamente trata-se de estudar os mecanismos que permitem esta extrema tolerância à seca”, acrescentou Armando Azua.

Para muitos cientistas, a possibilidade da Humanidade se estabelecer no Planeta Vermelho é apenas uma questão de tempo.

“Se conseguirmos demonstrar que no deserto de Atacama, com base nas provas atuais, a vida consegue tolerar a seca extrema e funcionar nessas circunstâncias, isso aumentaria tremendamente as possibilidades de encontrar vida não só em Marte mas também noutras partes do universo”, afirmou o cientista chileno.