Última hora
This content is not available in your region

México rejeita políticas migratórias da administração Trump

México rejeita políticas migratórias da administração Trump
Tamanho do texto Aa Aa

Com EFE e Notimex

O México é soberano e só o México decide quem entra e quem não entra no México.

Luís Videgaray MNE mexicano

O ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros (Relações Exteriores), Luis Videgaray, criticou algumas das propostas dos Estados Unidos relativamente a políticas migratórias e ao tratamento dado a cidadãos mexicanos que vivem e trabalham nos EUA.

Foi durante uma conferência de imprensa na embaixada mexicana em Washington que Luis Videgaray referiu alguns dos pontos que mais preocupam o Governo mexicano.

Em primeiro lugar, a possibilidade de que os Estados Unidos venham a separar crianças dos seus pais, no caso de famílias que sejam detidas a tentar atravessar a fronteira ilegalmente.

Uma medida que visaria, segundo os EUA, dissuadir a emigração ilegal para o país.

Para o México, no entanto, medidas como esta poderiam violar o Direito Internacional e provocar, por outro lado, danos irreversíveis em muitas famílias mexicanas.


“Acreditamos que separar família quando chegam aos Estados Unidos, independentemente das razões que tenham levado a este tipo de política, constituem um ataque contra a integridade da unidade fundamental de uma sociedade, que é a família”, disse o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros.

Em segundo lugar, o chefe da diplomacia mexicana referiu que o seu país não está disposto a aceitar políticas unilaterais por parte do vizinho do norte.

Os EUA referiram a possibilidade de que todos os estrangeiros indocumentados presentes no território fossem deportados, independentemente do seu país de origem, para o México.

Uma vez em território mexicano, poderiam solicitar estatuto legal nos EUA, tendo em conta as diferentes possibilidades legais previstas, sem que qualquer estatuto lhes viesse a ser concedido.

A este respeito, Luis Videgaray insistiu na soberania do México e no facto de que apenas o “México decide quem entra e quem não entra no México”.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.