Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Holanda: Mark Rutte garante que "Nexit" seria o caos

Holanda: Mark Rutte garante que "Nexit" seria o caos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mark Rutte acusou Geert Wilders de querer empurrar a Holanda para o caos, ao defender o “Nexit”, a saída do país da União Europeia.

O atual primeiro-ministro e o líder de extrema-direita digladiaram-se, esta noite, num debate na televisão estatal holandesa, a dois dias das eleições legislativas.

Wilders afirma que a saída do país da União iria beneficiar a economia.

Pelo contrário, Rutte afirma que o “Nexit” iria atirar milhares de pessoas para o desemprego.

“Você quer o ‘Nexit’. Quer que a Holanda saia da Europa. Você sabe que isso vai custar 1 milhão e 500 mil de empregos. Isso significaria o caos para a Holanda. A Grã-Bretanha está num caos agora, por causa do Brexit. Quer empurrar os Países Baixos para o caos, também. Não faça isso. Sinceramente, espero que não vença, que não forme um executivo. Vou lutar arduamente. Não faça isso. É a pior notícia que a Holanda pode ter agora”, assegura o primeiro-ministro.

“O ‘Nexit’ é a melhor coisa que nos poderia acontecer. Tornamo-nos, novamente, donos do nosso país. Vamos recuperar a chave da nossa porta. Quantas pessoas é que acha que não consideram desagradável não ter a chave da própria casa, para ditar quem deixam ou não entrar? Pedimos a uma agência, que já ganhou prémios, que fizesse a análise. E sabe? A nossa economia iria crescer, iríamos ter mais poder de compra e haveria mais emprego”, garante o líder do Partido da Liberdade.

A imigração foi um dos temas fraturantes do debate. Geert Wilders defende o encerramento das fronteiras, de mesquitas e a proibição do Corão.

Antes do frente-a-frente, Mark Rutte afirmou que, depois do “Brexit” e da eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos da América, espera que seja a Holanda a acabar, a 15 de março, com o efeito dominó do mau populismo.