Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Perspetivas Económicas para a UE

Perspetivas Económicas para a UE
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez em quase uma década, todas as economias da Europa estão a crescer – mas continuam a surgir grandes questões sobre se este crescimento pode acontecer este ano ou no próximo – com toda a incerteza que nos rodeia: a nova administração dos EUA, passando pelas eleições em toda a Europa, até às preocupações sobre o Brexit e a China. Esta semana, Real Economy está na London Business School, para tentar analisar o futuro da economia da Europa.

Na Europa, estima-se que a economia de todos os países cresça, incluindo a dos mais atingidos pela recessão, durante este ano e no próximo. No que toca ao euro – espera-se que crescimento seja mais lento do que no ano passado, mas que que volte a recuperar em 2018.
A perspetiva não se baseia apenas no crescimento das exportações: aqui está um curso intensivo sobre como se espera que a inflação – que tem sido baixa nos últimos dois anos – aumente de novo.

Helen baseia as suas decisões de compra nos aumentos dos preços dos bens e serviços. Durante alguns anos adiou compras porque os preços desciam de forma consistente – pensando que podiam descer ainda mais. Mas isto enfraqueceu o seu poder de compra: como as empresas vendiam menos – investiam menos, contratavam menos pessoas e os salários desciam.

Um fator foi a queda do preço do petróleo -um forte impulso na economia. O preço do petróleo tem vindo a aumentar aproximando os níveis de inflação para valores próximos do nível que o Banco Central Europeu acredita que pode estabilizar os preços.

Na zona euro prevê-se que a inflação aumente para 1,7% este ano. Na UE, prevê-se que aumente para 1.8%. Segundo as previsões, as empresas devem aumentar o investimento, ajudando ao crescimento da economia e a procura doméstica deve continuar forte. Mas se a inflação aumentar muito a família de Helen não poderá gastar mais.

Contextualizando esta previsão: porque a recuperação ainda é lenta e isso é destacado nas previsões para as quatro principais economias da zona euro – apenas a previsão para a Alemanha foi atualizada. Relativamente a França – espera-se que a recuperação e o crescimento sejam apenas um pouco maiores do que nas previsões anteriores. O que esperam as empresas? Considerando que o crescimento do setor privado na zona euro atingiu o valor mais alto dos últimos 6 anos, em fevereiro – Guillaume Desjardins explica:

A Maviflex fabrica portas industriais perto de Lyon, em França, há mais de 3 décadas. As portas são vendidas para outras empresas por toda a França e Europa, o que significa que é influenciada por toda a economia.
As peças de metal são manipuladas, transformadas e montadas por 40 trabalhadores, para além das equipas de vendas e apoio – o que faz um total de 88 pessoas a trabalhar para a empresa. Esperam-se mais contratações devido à retoma do negócio.

O crescimento da Maviflex é um sinal de uma retoma do setor privado e especialmente da indústria. Algo que se verifica por toda a zona euro – onde se espera que outras empresas também comecem a contratar. Isso significa que se prevê que desemprego na zona euro diminua de 10% para 9,1%. Essa melhoria é refletida nas previsões por toda a Europa também.

Nos últimos meses, a desvalorização do euro tem ajudado às exportações europeias, abrindo portas mais acessíveis aos estrangeiros, mas este efeito está a desvanecer-se lentamente. Desta forma, um aumento da procura interna seria bem-vindo, devido a uma melhor situação no mercado de trabalho. Mas com a inflação potencialmente em ascensão, influenciando o poder de compra das famílias. Mais do que nunca, as empresas precisam de uma visão estratégica de crescimento. Tendo em consideração que o crescimento abrandou mesmo antes da crise na Europa, empresas como a Maviflex enfrentam novamente o dilema: “A necessidade de investir” versus “Um cenário político incerto”.

Connosco para analisar estas perspetivas está uma das economistas mais importantes do mundo e professora aqui na London Business School, Lucrezia Reichlin.

euronews: Começando com o tema da “incerteza” – desde as eleições na Europa, a Administração dos EUA, a China, o Brexit… Como os classifica?

Lucrezia Reichlin: Nos EUA, a incerteza é obviamente o fator Trump. Isso vai ser geral na economia dos EUA, porque muitos pensam que a economia norte-americana cresceu. A Europa tem os seus próprios problemas – é claro se os EUA vão desacelerar, com medidas protecionistas comerciais, a Europa será prejudicada. Por outro lado, a Europa tem agora uma recuperação muito convincente…

euronews: Como se começa a aumentar o investimento quando a preocupação parece estar centrada nos EUA e aqui?

Lucrezia Reichlin: Temos que trabalhar nisso. Para que as empresas mais fracas, a parte mais fraca do setor empresarial, beneficie da tecnologia disponível, mas creio que o setor privado também tem que se convencer que existem perspetivas de crescimento. Uma vez que a incerteza política seja eliminada, penso que o otimismo vai prevalecer.

euronews: Parece faltar um elo de ligação aqui: porque a Alemanha parece ser a única que ainda está em boas condições.

Lucrezia Reichlin: A Alemanha está a crescer, mas a Espanha também. Na verdade, o único país que dececionou foi a Itália. Tem que trabalhar para tentar certificar-se que as regiões mais fracas do país convergem para taxas de crescimento mais elevadas.

euronews: Ganha-se um pouco de confiança com os números do emprego e dos salários em toda a Europa. O que é preciso fazer para manter este impulso e melhorá-lo?

Lucrezia Reichlin: A inflação subjacente, que exclui os alimentos e os produtos energéticos ainda é baixa, então creio que o Banco Central tem a possibilidade de manter o estímulo. Retirar o estímulo agora seria prejudicial para a economia, mas também para a estabilidade financeira, porque isso significaria que as taxas de juros de longo prazo começariam a aumentar e para os países endividados isso seria um problema. Globalmente, creio que a zona euro tem de trabalhar na sua própria forma de governar e proporcionar um estímulo fiscal.

euronews: Como é possível fazer isso?

Lucrezia Reichlin: Penso que devemos olhar para os nossos políticos, para as instituições económicas e para o governo económico da zona euro e para a Europa de forma mais abrangente – pensar em políticas que ajudem o aspeto tecnológico, para tornar as empresas mais fortes – a nossa economia ainda precisa de um impulso.