Diretor do FBI recusa influência no resultado das presidenciais do ano passado

Diretor do FBI recusa influência no resultado das presidenciais do ano passado
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

James Comey defendeu as decisões tomadas em relação à investigação a Clinton e ao alegado papel da Rússia nas eleições.

PUBLICIDADE

Com agências

Foi com muita determinação que James Comey, diretor do FBI, defendeu a decisão de reabrir uma investigação à então candidata Democrata às presidenciais dos EUA de novembro do ano passado Hillary Clinton, no chamado caso dos emails, ainda que os Democratas insistam em que tal medida lhes custou a presidência.

James Comey compareceu, durante quatro horas, perante uma Comissão do Senado (Câmara alta) dos Estados Unidos, defendendo todas as suas decisões de forma apaixonada:

“Penso que foi uma situação péssima. Fico um pouco mal-disposto ao pensar que podemos ter, de alguma forma, tido algum impacto nas eleições, mas, honestamente, penso que não alteraria o resultado. Teria sido catastrófico para o FBI, mas não só”, disse o diretor do FBI.

A Comissão quis também saber porque se manteve o FBI em silêncio sobre as informações relativas a um possível papel da Rússia na vitória de Donald Trump nas eleições.

Recusando-se a entrar em detalhes, o diretor do FBI disse achar que a Rússia constitui, no entanto, “a maior ameaça no mundo”, se tivermos em conta “as suas intenções e as suas capacidades”.

O diretor do FBI tem estado na mira dos Democratas por não ter revelado a linha de investigação sobre as atividades de Moscovo antes das eleições presidenciais de novembro, tal como fizera em relação à investigação dos emails de Clinton, quando foi secretária de Estado.

Clinton disse, horas antes da audiência, que a decisão de Comey fez com que perdesse as eleições.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Treze russos acusados de influenciar eleições dos EUA em 2016

Agentes da autoridade mortos a tiro no Estado de Nova Iorque

Nova Iorque sacudida por terramoto de 4,8 na escala de Richter, o maior em mais de 40 anos