A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Corrupção da Odebrecht atinge Capriles

Corrupção da Odebrecht atinge Capriles
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os tentáculos da alegada corrupção do conglomerado brasileiro Odebrecht começam a ser expostos.

O líder da oposição venezuelana, Henrique Capriles, terá recebido doações para a campanha eleitoral de 2012 em que perdeu para o antigo presidente Hugo Chavez. No entanto, Chavez, que morreu meio ano depois, seria o principal destinatário de fundos ilegais, segundo a delação premiada de Euzenando Azevedo, ex-diretor da Odebrecht em Caracas. A informação é avançada pela revista Valor Brasil que explica que a ideia do conglomerado seria apostar nos dois potenciais presidentes para não ficar de fora do circulo do poder.

As revelações sucedem-se no continente sul-americano. No panamá o Ministério Público anunciou que o número de acusados de receberem subornos da Odebrecht subiu de 17 para 36, entre os quais se encontram dois filhos do ex-presidente Ricardo Martinelli.

Mas o Panamá é apenas um dos oito países sul-americanos em que as autoridades judiciais brasileiras começam esta quinta-feira a enviar provas de corrupção. Os outros países são a Argentina, o Equador, o México, o Peru, a República Dominicana, Venezuela e a Colômbia. Neste último, o ex-presidente da Odebrecht confirmou ter pago uma sondagem de um milhão de dólares para a campanha eleitoral do presidente e Nobel da paz, Juan Manuel Santos.

As provas são parte dos 77 acordos de delação premiada que executivos da Odebrecht fizeram com a Justiça brasileira.

A dimensão internacional do escândalo, já considerado o maior na história do Brasil e que atinge altas individualidades brasileiras nas investigações da Lava Jato, como o antigo Presidente Lula da Silva, foi conhecida no final de 2016, quando o departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou que a multinacional admitiu ter pagado 788 milhões de dólares em subornos em doze países da América Latina e África, 59 milhões dos quais foram pagos no Panamá entre 2009 e 2014.

Portugal também faz do lote de países investigados.