Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Qatar tem de parar com o mau comportamento", disse ministro saudita

"Qatar tem de parar com o mau comportamento", disse ministro saudita
Tamanho do texto Aa Aa

A crise diplomática no Golfo só se resolve quando o Qatar aceitar as exigências dos vizinhos, garantiu o chefe da diplomacia da Arábia Saudita, após uma reunião com o homólogo belga, quinta-feira, em Bruxelas.

“Chegámos à conclusão de que basta o que basta. Se o Qatar quer fazer parte do Golfo, tem que agir de outra forma, tem de parar com este mau comportamento”, disse Adel al-Jubeir.

“Caso contrário, estamos preparados para esperar e ver. Não temos pressa. Mas não podemos voltar à situação anterior. Os Qataris sabem exatamente o que lhes é exigido e cabe-lhes responder. É nesse ponto que estamos”, acrescentou o governante saudita.

Para ajudar a mediar a crise, Federica Mogherini vai deslocar-se ao Kuwait, no próximo fim-de-semana.

A intervenção da chefe da diplomacia da União Europeia poderá diminuir a tensão regional sobre quem dá apoio a grupos extremistas, tais como o Daesh, segundo um analista político do Trend Institute.

“A Europa tem muita experiência em lidar com pontos de vista opostos e em fazer a ponte entre pessoas no sentido de abordarem questões de interesse comum”, disse Richard Burchill à euronews.

“A Europa também possui uma vasta experiência e capacidade institucional ao nível da luta contra o financiamento do terrorismo e do extremismo. A presença da União Europeia é bem-vinda, até porque agora não podemos confiar numa posição coerente por parte dos EUA. Assim, a Europa pode assumir a liderança e trazer algum equilíbrio e objetividade para o debate. E, certamente, agradeceremos esse maior envolvimento”, concluiu o analista político.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito instam o Qatar a comprometer-se com seis princípios de combate ao extremismo e terrorismo islâmico, como condição para retomarem as relações diplomáticas com o país, cortadas em junho passado.

O Qatar nega as acusações e recusa-se a aceitar as exigências, que incluem encerrar a cadeia de televisão Al-Jazira, reduzir as relações com o Irão, encerrar uma base militar da Turquia no seu território e coartar as ações de várias pessoas e entidades.