EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

EUA-Rússia: Senado confirma sanções

EUA-Rússia: Senado confirma sanções
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Senadores republicanos votaram com os democratas e aprovaram por esmagadora maioria o reforço de sanções à Rússia, contra a vontade do presidente Trump

PUBLICIDADE

O Senado norte-americano subscreveu na quinta-feira a posição da câmara dos representantes aprovando por esmagora maioria a imposição de novas sanções à Rússia, Irão e Coreia do Norte, apesar das objeções do presidente.

Com 98 votos a favor e apenas dois contra, os senadores confirmaram a aprovação na câmara dos representantes, onde na terça-feira passou com 419 votos favoráveis e três negativos.

Resta saber se Donald Trump vai usar o poder de veto ou se promulga o diploma.

Este resultado representa uma mensagem clara para o presidente, disse o senador Benjamin Cardin, líder dos democratas na comissão de Negócios Estrangeiros:

“É uma mensagem clara para o presidente Trump. Queremos que ele seja duro com a Rússia. Queremos mais sanções e queremos garantir que a Rússia fará o que está certo.”

Segundo o Republicano Bob Corker, Bob Corker, presidente da comissão de Negócios Estrangeiros do Senado, não é provável que o presidente recorra ao veto:

“Acho que ficou claro que isto é um fato consumado, quero dizer, quando se é confrontado com este tipo de voto esmagador, significa que, provavelmente… quero dizer, eu não posso falar por eles, mas se me pedissem conselho, diria que opor o veto a algo que recebeu este apoio não serve o interesse de ninguém”

O reforço das sanções contra a Rússia pretende responder à suposta interferência de Moscovo na campanha eleitoral norte-americana em 2016. As sanções contra o Irão e a Coreia do Norte são justificadas com os programas de armamento destes países.

O projeto-lei foi criticado por Moscovo, mas suscitou também a avaliação negativa da União Europeia. Em declarações à cadeia de televisão alemã ARD, a ministra da Economia alemã, Brigitte Zypries, criticou o abandono por parte dos Estados Unidos da “linha comum” face à Rússia, assinalando que as novas sanções propostas pelo Congresso norte-americano podem prejudicar as empresas europeias.

Na quarta-feira o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertira que Bruxelas está pronta para “agir em conformidade numa questão de dias”, caso as preocupações europeias não forem tidas em conta pelos EUA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa