Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Países vizinhos da Venezuela denunciam a instauração de "uma ditadura"

Países vizinhos da Venezuela denunciam a instauração de "uma ditadura"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Doze dos 17 países americanos reúnidos em Lima, no Perú, esta terça-feira, declararam não reconhecer a Assembleia Constituinte que assumiu funções na Venezuela.

Num comunicado lido pelo ministro peruano dos Negócios Estrangeiros, Ricardo Luna, os chefes da diplomacia dos 12 afirmaram:

“O que se passou na Venzuela com o estabelecimento da Assembleia Constituinte é uma quebra definitiva do que tínhamos até agora, quer dizer, o derrube das instituições democráticas que vem acontecendo nos últimos tempos culminou e o que temos hoje na Venezuela é uma ditadura”.

A Assembleia Constituinte tomou esta terça-feira, pela força, a sede do parlamento, com o recurso à Guarda Nacional Bolívariana. Os deputados do parlamento eleito em 2015 foram impedidos de entrar no edifício.

Um dos deputados da oposição, José Guerra, conta que foram apanhados de surpresa:

“Um contigente da guarda nacional, juntamente com a presidente da assembleia constituinte tomou de assalto – literalmente falando -, a sede do capitólio federal, onde funciona o parlamento venezuelano. De manhã eles tinham dito que iam sediar a assembleia constituinte no Teatro Municipal de Caracas mas, aparentemente, não cumpriram a palavra e tomaram o Capitólio Federal, que é onde funciona a assembleia nacional eleita pelos venezuelanos no ano 2015. Eleita por 14 milhões de venezuelanos e que é a instituição mais legítima da Venezuela”.

O objetivo dos membros da constituinte é redigir uma nova contituição, refundar o Estado venezuelano. A resolução que lhes atribui plenos poderes foi votada ontem, mas a oposição não tenciona baixar os braços, como relata o correspondente da euronews em Caracas, Eduardo Salazar Uribe:

“A oposição venezuelana anunciou que a tomada do edifício legislativo por parte da assembleia constituinte é outra violação clara das leis venezuelanas. Os deputados da oposição dizem que se lhes fôr negado o direito a sentar-se no parlamento, vão sentar-se nas ruas”.