Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Milhares em fuga para o Bangladesh após escalar de conflito na Birmânia

Milhares em fuga para o Bangladesh após escalar de conflito na Birmânia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A fuga ao conflito na Birmânia faz-se entre fronteiras.

Milhares de pessoas da minoria muçulmana Rohingya fogem para o vizinho Bangladesh desde que o conflito entre as forças de segurança e militantes Rohingya eclodiu na sexta-feira em Rakhine, noroeste do país, no sudeste asiático.

Por seu lado, o governo birmanês salvaguardou a segurança de cerca de 4000 cidadãos não muçulmanos deslocando-os da zona de conflito.


Contam-se 98 mortos, com mais de 80 da parte dos insurgentes e 12 membros das forças de segurança, segundo fontes governamentais.

É o pior ressurgir de violência desde Outubro, em que uma insurgência Rohingya similar matou 9 polícias e reabriu hostilidade num conflito de longo curso.

Hamid Hossein fugiu para o Bangladesh e fala do que deixou para trás: “Um dos meus filhos perdeu-se enquanto cruzava a fronteira. Não conseguimos aguentar a tortura do governo birmanês. Matou o nosso povo, os corpos estavam estendidos ali, as forças do governo queimaram as nossas casas e também mataram as nossas crianças pequenas. Como se pode viver ali?”

A líder nacional, Aung Saan Suu Kyi, tem no tratamento dado aos mais de um milhão de Rohyngya numa Birmânia maioritariamente budista um desafio: a comunidade internacional fala em campanha de limpeza étnica e aponta o dedo à laureada com o Prémio Nobel em 1991 por não defender abertamente a minoria muçulmana, perseguida há muito tempo e por defender a contra-ofensiva do exército após o ataque de outubro.

Na sexta-feira passada, Suu Kyi condenou os raides nos quais os insurgentes se muniram de armas, paus e bombas caseiras para assaltar 30 esquadras de polícia e uma base militar.

Calculam-se em 400 mil os Rohingya no Bangladesh desde o início dos anos 90, o que faz crescer a tensão em ambos os países, cada um a encarar a minoria como cidadãos pertencentes ao outro.