Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A Coreia do Norte de novo no alvo da comunidade internacional

A Coreia do Norte de novo no alvo da comunidade internacional
Tamanho do texto Aa Aa

A comunidade internacional voltou a condenar o último lançamento de um míssil norte-coreano com a ameaça de novas sanções e uma reunião de emergência na ONU esta terça-feira.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump voltou a afirmar que todas as opções continuam em cima da mesa, da ameaça de fogo e fúria sobre Pyongyang à tímida oferta de negociações de Rex Tillerson na semana passada.

Trump sublinhou que, “as ações ameaçadoras e destabilizadoras só aumentam o isolamento da Coreia do Norte”.

Já o Japão mostrou-se mais determinado que nunca depois do míssil ter sobrevoado pela primeira vez o território.

Para o primeiro-ministro Shinzo Abe: “É preciso exercer mais pressão sobre a Coreia do Norte para mudar as suas políticas. Isto tem que ser feito através de um trabalho conjunto entre o Japão, os Estados Unidos e a Coreia do Sul, com um braço estendido à China, à Rússia e à comunidade internacional”.

Moscovo voltou a deplorar o que considera ser antes de mais um braço-de-ferro entre Washington e Pyongyang, com o responsável da diplomacia russa, Serguei Lavrov, a deixar um aviso ao regime norte-coreano:

“Nós permanecemos fiéis à posição do Conselho de Segurança da ONU e instamos o nosso vizinho coreano a respeitá-la integralmente”.

A China voltou a mostrar-se mais comedida com o país aliado, apelando a uma retoma das discussões como única forma de poder acalmar a situação atual.

Segundo a porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying: “A China apela todas as partes a não agravar a tensão regional, esperamos que todos possam manter a calma, a paz e a estabilidade na península coreana”.

Mais de duas semanas após aprovar novas sanções contra o país, a União Europeia condenou a ação, afirmando estar a preparar uma resposta coordenada com a ONU.

O embaixador da Coreia do Norte na ONU afirmou hoje que o seu país tem “direito à autodefesa” face ao que considerou serem, “as intenções hostis” dos Estados Unidos, evocando os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, atualmente em curso.