Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hokkaido na rota do último míssil norte-coreano

Hokkaido na rota do último míssil norte-coreano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A ilha de Hokkaido foi abalada esta madrugada pelo 18o teste com um míssil norte-coreano este ano.

O engenho sobrevoou o território por volta das seis horas da manhã, fazendo soar os alarmes de ataque e os avisos à população e levando mesmo à interrupção do tráfego ferroviário.

“Se começassem a evacuar certas zonas eu não saberia para onde ir, a situação é bastante confusa”, afirma uma passageira.

O míssil de médio-alcance dividiu-se em três partes antes de cair no Oceano Pacífico e sem nunca ser intercetado pelo sistema de defesa antiaérea do país.

Uma situação inédita e assustadora para os residentes.

“Não podemos fugir a esta situação que é aquela que mais nos preocupa”.

Um gesto de Pyongyang que, para um analista, representa antes de mais um desafio a Washington e à administração Trump:

“Eu penso que o mais preocupante deste teste é o facto de que o míssil sobrevoou o Japão e caiu perto da ilha de Hokkaido. Mas é preciso contextualizar a situação. Não se trata de algo de novo. A Coreia do Norte está a jogar com a política interna em Washington, em Seul e talvez em Tóquio. Nos dois campos vemos gente que defende posições mais duras e gente que defende posições mais moderadas. E ações como esta reforçam as posições mais duras”.

Pouco após o lançamento dezenas de militantes de extrema-direita manifestaram-se frente à sede da representação diplomática da Coreia do Norte em Tóquio.

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe considerou a ação “desmedida”, prometendo, uma vez mais, responder ao que considerou como “uma ameaça grave ao país”.

A China, aliada de Pyongyang, apelou esta manhã à retoma das discussões de paz, afirmando que “as pressões e as sanções não podem, por si só, resolver o problema”.