Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Está aberta uma guerra comercial entre os fabricantes Bombardier e Boeing. O Departamento de Comércio norte-americano decidiu aumentar em cerca de 220 por cento a tarifa sobre as importações de um novo modelo de avião de passageiros da companhia aeronáutica canadiana, que nos Estados Unidos concorre com a Boeing. A Bombardier diz que a decisão é “absurda” e aponta o dedo à rival que acusa de tentar sufocar a concorrência.

Na origem da decisão norte-americana, a denuncia da Boeing de que a construtora canadiana terá recebido subvenções públicas.

“É um duro golpe para a Bombardier, para o Canadá, para a Irlanda do Norte e, acima de tudo, para Theresa May. Não é certo que se chegue a um acordo. É preciso passar por mais uma etapa. Trata-se de uma tarifa enorme. Pelo que vão precisar de provas substanciais que sugiram que esses aviões receberam subsídios públicos significativos” refere o analista Craig Erlam

Só em Belfast, a empresa canadiana emprega mais de 4 mil pessoas. O chefe de Governo canadiano e a homologa britânica prometem tudo fazer para minimizar as consequências desta guerra comercial. O ministro da Defesa britânico admite que a medida possa afetar as relações com a fabricante norte-americana.

Estima-se que nos Estados Unidos, a Bombardier empregue 23 mil pessoas.