Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Vladimir Putin admite atrasos nos estádios do Mundial 2018

Vladimir Putin admite atrasos nos estádios do Mundial 2018
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da Rússia admite haver atrasos nas obras dos estádios previstos para receber no próximo ano o Campeonato do Mundo de futebol.

Após uma reunião com a equipa de supervisão da organização do Mundial e o Conselho para o Desenvolvimento da Educação Física e Desporto, Vladimir Putin disse que os atrasos não são graves, mas deixou um aviso: “Se o trabalho abrandar, a Rússia não vai cumprir a tarefa na totalidade”.

“Quaisquer atrasos na preparação do Mundial de futebol são inadmissíveis”, alertou.


Quatro dos doze estádios previstos foram já utilizados na recente Taça das Confederações, mas outros, como a Arena de Samara, estão ainda longe da conclusão e têm de ser entregues até final do ano. Siotuado 1000 quilómetros a leste de Moscovo, o recinto que irá ser a “casa” do FC Krylia Sovetov Samara agravou o orçamento de construção para mais de 270 milhões de euros e vai ter uma lotação prevista de 45 mil espetadores.


No final de setembro, uma equipa de supervisores da FIFA, o organismo que superintende o futebol mundial e é responsável pela principal competição de seleções, visitou o recinto de Samara. “É óbvio que há atrasos neste projeto. É uma estrutura complicada de cobertura, integra muito aço e trabalho metalúrgico”, referiu o responsável de eventos e competições da FIFA.

Colin Smith admite a “preocupação” do organismo internacional, mas disse ter recebido da parte do governador e das autoridades locais o “total compromisso” de que “tudo vai estar feito de forma a estar acabado tão cedo quanto possível”. “Os próximos dois ou três meses vão revelar-se decisivos e nós vamos monitorizar tudo de perto”, referiu o responsável da FIFA.0

Vladimir Putin, por seu turno, desdramatiza a situação e garante que “a situação não é horrível”, mas alertou os responsáveis locais de que “é sempre mais difícil resolver as coisas nos derradeiros momentos.”

O Mundial de 2018 começa a 14 de junho, no Estádio Luzhniki, em Moscovo, com a seleção anfitriã ainda à espera de conhecer o primeiro adversário.