Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Aliança sul-americana na corrida ao mundial de 2030

Aliança sul-americana na corrida ao mundial de 2030
Tamanho do texto Aa Aa

Os presidentes da Argentina, Uruguai e Paraguai anunciaram a candidatura conjunta à organização do Campeonato do Mundo de futebol de 2030, que marcará o centenário da competição, organizada pela primeira vez em Montevideo.

O anúncio foi feito após uma reunião em Buenos Aires entre os chefes de Estado do Paraguai, Horacio Cartes, do Uruguai, Tabaré Vazquez, e da Argentina, Mauricio Macri.


“A primeira reunião [de preparação da candidatura] será organizada nas primeiras semanas de novembro”, adiantou Horacio Cartes, admitindo que outros países terão a pretensão de acolher o evento, mas lembrando que o primeiro Mundial da história foi realizado em 1930, no Uruguai, onde o anfitrião venceu na final a Argentina, por 4-2.

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, também se encontrava na capital argentina e esteve reunido com os três chefes de Estado, dos quais um primeiro esboço da candidatura tripartida.

Em março do ano passado, o presidente do Uruguai já tinha transmitido formalmente ao presidente da FIFA o desejo de o seu país organizar em conjunto com a Argentina o Mundial de 2030, tendo Infantino sinalizado que a organização que dirige estava à altura concentrada apenas no processo de atribuição do Mundial de 2026.

“Na FIFA, a prioridade vai agora claramente para 2026. Mas é muito positivo que exista este interesse por parte de dois países que escreveram a história do futebol”, declarou então o líder do organismo que superintende o futebol mundial.


Embora sem ter oficializado a sua pretensão, também a China já manifestou interesse em acolher uma próxima edição da competição.

Em setembro do ano passado, o vice-presidente da Federação Chinesa de Futebol, Zhang Jian, declarou: “Todos os amantes chineses do futebol têm um sonho: receber o Campeonato do Mundo na China. Espero que se realize o mais cedo possível, mas a FIFA tem as suas regras e nós respeitamos isso”, disse o candidato a representante da Confederação Asiática de Futebol (AFC) no conselho da FIFA, durante um congresso então realizado em Goa, na Índia.

O Mundial2018 vai ser disputado na Rússia e o de 2022 no Qatar, país membro da AFC, o que, em teoria, impede a China de organizar o Mundial2026, já que a FIFA não permite que o campeonato seja organizado duas vezes seguidas no mesmo continente. O sonho chinês deverá, por isso, ser transferido para o torneio de 2030.

O presidente chinês Xi Jinping já expressou o desejo de que o mais populoso país do mundo receba a maior competição de futebol mundial, mas, do ponto de vista desportivo, a seleção da China continua longe das equipas de topo, ocupando o 62.º lugar no ‘ranking’ da FIFA.

A América do Sul foi o palco do Mundial de 2014, através do Brasil, mas a última vez que um dos países da nova aliança tripartida recebeu o torneio aconteceu há quase 30 anos, na Argentina. O Uruguaio organizou e venceu a primeira edição, enquanto o Paraguai nunca foi palco de um campeonato do Mundo de futebol.

Texto: Lusa
Edição: Francisco Marques