Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mulheres palestinianas e israelitas juntas pela paz

Mulheres palestinianas e israelitas juntas pela paz
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de mulheres israelitas e palestinianas chegaram este domingo a Jerusalém, depois de uma marcha de duas semanas pela paz, que atravessou Israel e a Cisjordânia ocupada.
O objetivo passa por exigir um acordo de paz entre israelitas e palestinianos.
Atravessando um cenário desértico até às margens do rio Jordão, cerca de 5 mil mulheres optaram pelo branco como símbolo da paz almejada.

Vivian Silver, israelita, diz porque está ali: “Temos de chegar a um acordo político, temos de mudar o paradigma que nos foi ensinado desde há 7 décadas, já, em que nos foi dito que apenas a guerra traria a paz. Já não acreditamos nisso. Provou-se não ser verdade.”

O Movimento “Women Wage Peace” ou Mulheres Fazem a Paz começou esta Marcha em setembro e nasceu depois da guerra de 50 dias em Gaza, em 2014. Mais de 2 mil palestinianos, maioritariamente civis, sucumbiram. Israel saldou as baixas em 67 soldadose 6 civis.

Huda Aburquob, diretora regional da Aliança para a Paz no Médio Oriente e palestinana a viver em Hebron, diz: “As mulheres estão a fazer-se ouvir pela primeira vez e a pedir paz porque realmente precisam dela. Precisam de paz para o futuro do seu próprio país e eu apoio-as porque acredito que têm uma voz fortíssima dentro da sociedade israelita.”

A organização tinha como objetivo acabar a manifestação frente à residência do Primeiro-Ministro israelita em Jerusalém, bem como a criação de um parlamento de mulheres palestinianas e israelitas.

A marcha foi apoiada por figuras israelitas como deputados da oposição mas também por membros da coligação de direita, tal como por escritores e artistas.