Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Justiça brasileira aceita providência cautelar que impede extradição de Battisti

Justiça brasileira aceita providência cautelar que impede extradição de Battisti
Tamanho do texto Aa Aa

O Supremo Tribunal Federal do Brasil aceitou uma providência cautelar interposta para impedir o Governo de extraditar, deportar ou expulsar o ex-militante de extrema-esquerda Cesare Battisti, condenado em Itália.

A liminar foi concedida por Luiz Fux, um dos 11 juízes do Supremo Tribunal Federal, a pedido da defesa de Battisti que, durante várias semanas, manifestou receio de que o Presidente Michel Temer, revogasse o decreto, de 2010, em que o antigo presidente Lula da Silva rejeitou a extradição.

Tribunal deverá prounciar-se novamente no fim do mês

Luiz Fux esclareceu que a medida protege Battisti pelo menos até que o tribunal se pronuncie definitivamente sobre a sua situação jurídica num julgamento previsto para o próximo dia 24.

A decisão é conhecida pouco depois de o Governo ter admitido que recebeu de Itália um novo pedido de extradição e de ter manifestado a intenção de atendê-lo.

Antigo militante próximo das Brigadas Vermelhas

Battisti, de 62 anos, que pertenceu ao grupo Proletários Armados para o Comunismo (PAC), um braço das Brigadas Vermelhas, foi condenado em 1993 à revelia à prisão perpétua em Itália por quatro homicídios que remontam ao final da década de 1970.

Viveu quase 15 anos em França, antes de partir para o Brasil, onde permaneceu escondido durante três anos.

Foi detido em março de 2007, no Rio de Janeiro, numa operação conjunta entre agentes do Brasil, Itália e França, depois de Roma ter pedido a sua extradição do Brasil.

O Supremo Tribunal do Brasil deu ‘luz verde’ à extradição em 2009, numa decisão não vinculativa, deixando a decisão nas mãos do então Presidente.

Lula da Silva considerou Cesare Battisti “alvo de perseguição” e negou a extradição, no último dia do seu mandato, em 31 de dezembro de 2010, o que permitiu ao italiano viver em liberdade no país até agora.

Detido na fronteira com a Bolívia

Contudo, Battisti foi detido, na semana passada, na fronteira com a Bolívia quando supostamente pretendia entrar no país com cerca de seis mil dólares norte-americanos e 1300 euros em dinheiro, verba que não declarou.

Apesar de libertado pode vir a ser acusado do delito de evasão de divisas.

A Justiça brasileira entende que a tentativa de fuga do país e a acusação de evasão de divisas representam uma “quebra da confiança” que Cesare Battisti recebeu quando foi acolhido no Brasil.

Com Lusa