Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O testemunho de quem arriscou a vida para chegar à Europa

O testemunho de quem arriscou a vida para chegar à Europa
Tamanho do texto Aa Aa

Para conseguir chegar à Europa, Samy, como muitos milhares de pessoas, arriscou a vida.

“Chamo-me Samy. Negociei com aqueles que fazem a ligação, que passam as pessoas. Paguei 500 euros. Nos primeiros dias fomos colocados em camiões. Fizeram-nos entrar e fomos trancados. Éramos umas 50 pessoas. Fomos levados para uma pequena savana e ficamos lá escondidos. Diziam-nos que a polícia estava por ali e não podíamos atravessar. Ficámos ali durante dias. Nós não estávamos preparados, não tínhamos nada para comer, nem água para beber.

Depois fomos presos, levaram-nos para a prisão de Izmir (Turquia) e ficamos lá durante 10 dias. Era uma outra realidade. No meu país nunca dormi na prisão.

Mas continua-se a tentar… e, como sempre, voltamos a entrar em camiões. Houve mesmo militares que nos perseguiram e dispararam sobre nós. Não sei se eram balas de borracha, só ouvi o som dos tiros. Fomos detidos por eles e levaram-nos para a mesma prisão, onde fiquei mais 8 dias. No total acabei por ficar 38 dias na prisão.

No dia em que saí da prisão, nesse mesmo dia, o contrabandista ligou-me de noite e perguntou se eu queria tentar outra vez. Não tinha outra opção, tentei. Estava tanto frio que fiquei gelado, os meus pés, as mãos, tudo, e dormimos debaixo das árvores. Depois, chegaram umas pessoas que nos disseram que podíamos tentar a travessia durante o dia. Descemos até à água, eles encheram o barco insuflável, colocaram um motor e disseram-nos: vá, vão.

Não sei qual a distância que percorremos. Sei que estivemos pelo menos 1 hora e 5 minutos na água.
Havia crianças, éramos pelo menos 49 pessoas.

Com a travessia chegámos à Grécia. Depois fomos acolhidos, deram-nos roupas e sapatos, porque estávamos encharcados, deram-nos biscoitos e água.

Nós não sabíamos o quanto arriscávamos, se tivermos em conta o valor de uma vida. Não sabia que poderia viver isto. Hoje é uma experiência. Eu digo que há pessoas que vivem vidas que não são normais. Foi o que eu vivi.”

Samy passou mais de 10 meses no campo de refugiados de Moria, em Lesbos, Grécia. O seu pedido de asilo foi recentemente aceite e foi levado para um campo em Tessalônica. Agora, aguarda pelos documentos de identificação para poder deixar a Grécia. Ele não sabe nem onde nem quando poderá voltar a estar com a família.