Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Papa evita termo "rohingya" na visita a Myanmar

Papa evita termo "rohingya" na visita a Myanmar
Tamanho do texto Aa Aa

Se havia palavra que muitos esperavam que o Papa Francisco pronunciasse na sua visita a Myanmar, era provavelmente "rohingya". Mas não aconteceu, pelo menos não publicamente no encontro que teve com Aung San Suu Kyi.

Primeiro, a líder birmanesa, que tem visto serem-lhe retirados alguns prémios internacionais pela gestão da crise da minoria muçulmana , declarou que "numa altura em que se enfrentam questões sociais, económicas e políticas que têm destruído a confiança, o entendimento, a harmonia e a cooperação entre diferentes comunidades no Estado de Rakhine, tem sido impagável o apoio do povo e dos amigos do país, que só querem ver os birmaneses alcançarem os seus objetivos".

O Sumo Pontífice apelou, por sua vez, ao "respeito por todos os grupos étnicos", salientando que "o árduo processo de construção da paz e da reconciliação nacional só pode avançar através do respeito pela justiça e pelos direitos humanos".

O Conselho dos Direitos Humanos da ONU vai reunir-se numa sessão extraordinária, facto raro, a pedido do Bangladesh e da Arábia Saudita - entre outros -, no próximo dia 5 de dezembro para debater a situação da minoria rohingya.

Segundo o correspondente da euronews, Claudio Lavanga, "a escolha criteriosa de palavras que Francisco utilizou terá sido uma desilusão para aqueles que esperavam que seguisse o caminho dos Estados Unidos e da ONU, que chamaram à perseguição dos rohingya uma 'limpeza étnica'. Mas, ao mesmo tempo, há esperança que o apelo de Francisco ao respeito pelos direitos humanos de todos os habitantes de Myanmar tenha finalmente uma resposta".