Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Zona euro deverá aplicar reformas nos próximos 18 meses

Zona euro deverá aplicar reformas nos próximos 18 meses
Tamanho do texto Aa Aa

Caberá a Mário Centeno, presidente eleito do Eurogrupo, impulsionar muitas das medidas de reforma da zona euro anunciadas, terça-feira, pela Comissão Europeia.

O pacote deverá ser aplicado nos próximos 18 meses para reforçar a capacidade dos Estados-menbros resistirem a eventuais novas crises.

“A Comissão Européia acredita fortemente que o euro é um fator de unidade. O primeiro princípio é que o euro não deve dividir o continente, mas uni-lo”, disse o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici.


Apresentado a sensivelmente uma semana de uma cimeira do Euro, que decorrerá em Bruxelas em 15 de dezembro, o pacote visa “reforçar a unidade, a eficiência e a responsabilização democrática da União Económica e Monetária Europeia até 2025”.

Os atuais 19 membros da zona euro vão contar, entre outras medidas, com um Fundo Monetário Europeu e um Ministro Europeu da Economia e Finanças.

Outra proposta é a integração do conteúdo do Tratado sobre Estabilidade, Coordenação e Governação (o chamado “pacto orçamental”) no quadro jurídico da União.

Uma quarta iniciativa da Comissão contempla a criação de “novos instrumentos orçamentais para assegurar a estabilidade da área do euro no âmbito da União”.

“Após anos de crise, chegou o momento de tomar o destino da Europa nas nossas próprias mãos. O forte crescimento económico verificado atualmente incita-nos a avançar para assegurar uma União Económica e Monetária mais unida, eficiente e democrática, em benefício de todos os nossos cidadãos. Há que aproveitar os dias de sol para consertar o telhado”, comentou o Presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker.