Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Guiana francesa prepara-se para o lançamento do Ariane 6

Guiana francesa prepara-se para o lançamento do Ariane 6
Tamanho do texto Aa Aa

Na costa equatorial da Guiana Francesa, os engenheiros aeroespaciais da Europa estão embrenhados no seu último projeto.

ELA 4, é o nome de código para a nova plataforma de lançamento do Ariane 6, que tem lançamento previsto para julho de 2020.

Nos últimos 50 anos, foram lançados vários foguetões da Guiana Francesa.

No equador, com o oceano ao lado, este é um local ideal e oferece à Europa a sua própria porta de entrada para o espaço

O negócio está, no entanto, em dificuldades devido à chegada de novos concorrentes como a Space X – apoiada pela NASA.

Quando a euronews visitou o local, mais de meio milhar de pessoas trabalhava das 6 horas da manhã, até às 22 horas para garantir que os prazos são cumpridos. Para já, as atenções centram-se na construção da trincheira das labaredas.

Cortar custos

Tudo foi desenvolvido para reduzir o tempo e a despesa de lançar um foguetão – isso inclui uma mudança na maneira como até agora eram construídos. Agora, constroem-se horizontalmente e não verticalmente como o Ariane anterior, como explica o gestor do ELA 4, Didier Coulon :“A rampa lançamento é montada horizontalmente, o que permite que os edifícios tenham uma dimensão muito menor, então, em termos de ar condicionado, estamos a cortar os custos da operação. Uma vez montada, será colocada num transportador e enviamo-la para a zona de lançamento. Lá, é levantada verticalmente. Trazemos os propulsores e, nesse momento, fazemos a verificação geral da estrutura. Isso dá-nos a luz verde para trazer o composto superior, com satélites no interior. Feito isso, retiramos o pórtico móvel de 90 metros de altura e avançamos com o lançamento “.

O diretor do Centro Espacial da Guiana, Didier faivre, adianta que “A Space X está a chegar, tem um ‘design’ mais moderno e com custos atrativos. Por isso, construímos o Ariane 6, para baixar os custos. A fiabilidade do Ariane 5 é perfeita, o Soyuz e o Vega não tiveram falhas desde os voos inaugurais. Pois isso, com o Ariane 6, com um ‘design’ mais moderno e mais modular, reduziremos os custos. Assim, aproximamo-nos e, se possível, seremos melhores do que a proposta que a Space X faz, hoje, aos clientes comerciais”, remata.

As vantagens do Ariane 6

O Ariane 6 tem como objetivo atender, de várias maneiras, à procura dos clientes.

Em primeiro lugar, o seu estágio superior pode ser reiniciado, portanto, pode colocar vários satélites em diferentes órbitas. Em segundo lugar, tem duas versões diferentes, como explica o diretor do Arianspace na Guiana, Bruno Gerard: “A vantagem do Ariane 6 é que temos duas versões, a 62, com dois propulsores, e a 64, com quatro propulsores onde teremos o máximo desempenho. No geral, podemos colocar dois satélites em órbita de transferência geoestacionária ou um satélite extremamente pesado. No Ariane 62, temos menos potência, menos custos, e podemos colocar rapidamente um satélite numa órbita muito específica”.

Enquanto o trabalho de construção continua na Guiana, os novos foguetões começam a ser produzidos na Europa continental nos próximos 12 meses.

Uma vez terminado todo este percurso, serão necessários apenas nove dias entre a preparação e o lançamento do Ariane 6, muito menos do que os 30 dias necessários para o antecessor Ariane 5.