Thales investe €4,8 mil milhões para liderar segurança digital

Philippe Valle, CEO da Gemalto, com o presidente da Thales, Patrice Caine
Philippe Valle, CEO da Gemalto, com o presidente da Thales, Patrice Caine Direitos de autor REUTERS/Philippe Wojazer
De  Francisco Marques com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Empresa detida em maioria pelo Estado francês e com vários investimentos em Portugal garantiu a aquisição da Gemalto, o maior fabricante de microchips e cartões SIM do mundo

PUBLICIDADE

A francesa Thales, especializada em eletrónica e defesa, garantiu a aquisição do maior fabricante de "microchips" e cartões SIM do mundo, a holandesa Gemalto, por cerca de 4,8 mil milhões de euros.

Já com vários investimentos em Portugal, em áreas como a exploração espacial, o mar, a agricultura e a gestão de florestas, a Thales espera tornar-se com a Gemalto no líder mundial de segurança digital numa altura em que há cada vez mais consumidores dependentes da tecnologia e ameaçados por ataques informáticos cada vez mais em voga.

A Thales ultrapassou a oferta da Atos e a confirmação do negócio pela Gemalto levou as ações da empresa, cujo maior acionista é o Estado francês, a valorizarem em bolsa mais de oito por cento.

Os títulos da Thales fecharam em Paris a valer 93,4 euros, enquanto os títulos da Gemalto subiram 5,6 por cento em Amesterdão e fecharam a valer 49,47 euros, ligeiramente abaixo dos 51 euros por ação oferecido pela francesa.

A Gemalto tinha em curso um plano social com a supressão prevista de 288 postos de trabalho. A restruturação da empresa vai manter-se, com a Thales a oferecer a prioridade nos dispensados da holandesa em ofertas de trabalho existentes no grupo francês.

A Thales prometeu ainda não proceder a mais reduções de pessoal na Gemalto durante os próximos dois anos. As ofertas não foram bem acolhidas pelos sindicatos, que não veem agora qualquer necessidade de um plano social na empresa holandesa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças ucranianas recorrem cada vez mais à rádio para obter informações dos inimigos

Ucrânia pede mais artilharia para enfrentar a Rússia

Responsável pela criação do ChatGPT readmitido pela startup OpenAI