Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Revista do ano desportivo

Revista do ano desportivo
Tamanho do texto Aa Aa

Para arrancar com o resumo desportivo do ano começamos pelo desporto-rei.

No Millenium Stadium, em Cardiff, o Real Madrid chegou aos 12 títulos da Liga dos Campeões. Os merengues, liderados por Cristiano Ronaldo, bateram a Juventus por 4-1.

A “Velha Senhora” não conseguiu deter o ímpeto dos rivais que celebraram o título pelo segundo ano consecutivo.

No ténis, um duelo de titãs colocou frente-a-frente Roger Federer e Rafael Nadal na final do Open da Austrália. O suíço bateu o espanhol. Foi a quinta vez que Federer conquistou o torneio. Não erguia o troféu desde 2010.

Entre as mulheres, Serena Williams venceu a irmã Venus na final do Open da Austrália, antes de se ausentar por causa da gravidez.

Em solo francês, o espanhol Rafael Nadal venceu, pela décima vez, o torneio de Roland Garros. Bateu na final o suíço Stan Wawrinka.

Este ano, o velocista jamaicano Usain Bolt despediu-se das pistas. Não foi além do terceiro lugar na última final dos 100 metros da carreira nos Mundiais de Atletismo, em Londres. Justin Gatlin foi o vencedor. Bolt saiu de cena em baixo ao lesionar-se na prova de 4×100 metros estafetas. Caiu ao chão e assim ficou.

O piloto britânico Lewis Hamilton conquistou pela quarta vez o Mundial de Fórmula 1. Igualou os quatro cetros do francês Alain Prost e do alemão Sebastian Vettel, ficando apenas atrás dos sete do alemão Michael Schumacher e dos cinco do argentino Juan Manuel Fangio.

Nos Estados Unidos, os Golden State Warriors conquistaram o quinto título de campeões da Liga norte-americana de Basquetebol ao vencerem em casa os Cleveland Cavaliers.

O Super Bowl deste ano será recordado como o mais emocionante da história. Os New England Patriots sagraram-se campeões, mas sofreram para conquistar o quinto título nacional. Bateram na final os Houston Falcons por 34-28 no prolongamento.

Colin Kaepernick foi o primeiro de muitos desportistas que se manifestaram contra a injustiça racial ao som do hino nacional dos Estados Unidos. A ação gerou uma reação em cadeia, incluindo a de vários jogadores da Liga Nacional de Futebol Americano que se manifestaram antes do início dos jogos.

No golfe, o veterano Sergio Garcia deu uma nova alegria ao desporto espanhol. Conquistou pela primeira vez um “Masters” de golfe ao vencer o Masters de Augusta, nos Estados Unidos, num ‘play-off’ com o norte-americano Justin Rose.

Já o lendário Tiger Woods voltou a ter problemas com a justiça, desta vez por conduzir sob o efeito de álcool e drogas.

No ciclismo, o britânico Chris Froome fez história ao conquistar na mesma época a “Vuelta” e o “Tour de France.” 2017 termina ensombrado pela notícia de que Froome acusou um nível excessivo de um medicamento para a asma num teste antidoping feito durante a “Vuelta” de Espanha.

“O Comité Olímpico Internacional (COI) decidiu suspender o Comité Olímpico Russo com efeito imediato.” Foi desta forma que o presidente do COI, Thomas Bach, pôs termo a qualquer possibilidade da delegação russa participar nos Jogos Olímpicos de inverno de Pyeongchang, em 2018.

O ano foi marcado também por uma das transferências mais badaladas de sempre no mundo do futebol. O Paris Saint-Germain quebrou recordes com a contratação do brasileiro Neymar. Seguiu-se a do francês Kylian Mbappé, o segundo jogador mais caro da história do futebol.

Este foi também o ano em que o avançado italiano Francesco Totti pendurou as chuteiras. Tanto ele como os compatriotas verão o Mundial de 2018 pela televisão. Itália foi afastada pela Suécia. A seleção transalpina falha pela primeira vez a fase final de um campeonato do mundo desde 1958.

No judo, o francês Teddy Riner, imparável, conquistou o décimo título mundial.

Terminamos com uma notícia curiosa que marcou o ano. Aconteceu na maratona de Veneza. O italiano Eyob Faniel cortou a meta em primeiro lugar. Isto depois de os principais atletas internacionais favoritos à vitória se terem enganado no caminho.