Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Manifestações reprimidas na RDC

Manifestações reprimidas na RDC
Tamanho do texto Aa Aa

A polícia e os militares da República Democrática do Congo estão a recorrer à força para reprimir as marchas pacíficas contra o chefe de Estado. A denúncia é feita por líderes da oposição e por ativistas católicos.

Contrariando, as ordens do poder político centenas de pessoas saíram à rua, este domingo, para exigir que o Presidente abandone o poder. Pelo menos oito pessoas morreram, dezenas ficaram feridas e 100 foram detidas em diferentes pontos do país.

"Mesmo durante o mandato do Presidente Mobutu, que era um ditador, as marchas pacíficas eram autorizadas. Não compreendemos e estamos cansados de Joseph Kabila" refere Jean Chretien, um manifestante.

"Estamos fartos. Nunca tivemos paz neste país. Nada funciona. O Presidente Kabila ainda é novo e pode ir embora, fazer outra coisa ou voltar mais tarde. Penso que já fez o que tinha a fazer. Por isso, chega. Não o queremos aqui. Deve ir embora e descansar" adianta Maman Louis, uma manifestante.

O mandato do chefe de Estado expirou em dezembro de 2016. As eleições, inicialmente, prevista para 2017 foram adiadas para o próximo ano. Um interregno necessário para alterar a Constituição e permitir que Kabila se apresente a um terceiro mandato.

Em 2016, os protestos contra a chefe de Estado provocaram dezenas mortos no país onde 40 por cento da população é católica. Por estes dias, nem mesmo as igrejas escapam. Os fiéis estão a ser revistados à entrada e saída dos lugares de culto.