EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Neve deixa estâncias de esqui paradas

Neve deixa estâncias de esqui paradas
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em certas regiões, os nevões são os maiores em perto de 40 anos e o risco de avalanches é elevado.

PUBLICIDADE

A neve que cai em vários pontos da Europa está a dar grande dores de cabeça, mesmo nos locais que vivem dela, como é o caso das estâncias de esqui. O problema é que a neve é tanta que as estradas se tornam impraticáveis e a situação está a ser difícil de gerir por parte das autoridades.

Em Val d'Isère, nos Alpes franceses, o cenário não é de famílias a esquiar, como habitualmente, mas de desolação. As pessoas foram obrigadas a ficar em casa e os restaurantes e lojas estiveram fechados. Tudo por causa do risco de avalanches: "Pedimos às pessoas que fiquem em casa. O risco de avalanche é muito elevado. São condições que não se viam desde 1978, explica a comandante Hélène Delas, dos bombeiros.

As autoridades mandaram também encerrar as principais estradas de acesso a Val D'Isère, para permitir o trabalho dos limpa-neves.

A vaga de frio e grandes nevões está a afetar França, Espanha, Áustria, Suíça e mesmo Portugal, onde nevou na cidade de Bragança.

Em Itália, pelo menos duas estâncias de neve ficaram isoladas devido ao corte de estradas. Em Sestriere, uma avalanche atingiu um prédio de habitação onde estavam 29 pessoas, sem fazer vítimas ou feridos.

Os nevões estão a afetar também o calendário desportivo. Os primeiros treinos da prova masculina de descida, a contar para a Taça do Mundo de esqui alpino, que deveriam ter tido lugar esta terça-feira, foram anulados devido à neve e ao vento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa regista temperaturas cada vez mais extremas

Inverno invulgarmente quente deixa parte da Áustria sem neve

Frio extremo nos Estados Unidos faz pelo menos 91 mortos