A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Comunidade LGBTI celebra parecer de Tribunal Interamericano

Comunidade LGBTI celebra parecer de Tribunal Interamericano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nem todos os países parecem dispostos a acatar a decisão, mas a comunidade LGBTI celebra uma importante vitória, depois do Tribunal Interamericano dos Direitos Humanos ter emitido um parecer onde indica que os Estados membros têm a obrigação de garantir os direitos familiares de casais do mesmo sexo, incluíndo o casamento.

Uma vitória crucial, para o ativista Marco Castillo:

"O facto do tribunal interamericano ter dito que é um direito humano, que não são simplesmente os casais heterossexuais que devem ser protegidos, parece-me fundamental. É algo que nos permite avançar e que agora é irreversível."

A opinião consultiva da instância, emitida a pedido do governo da Costa Rica, foi saudada pelas Nações Unidas e representantes da comunidade Lésbica, Gay, Bissexual, Transexual e Intersexual do país, que apelou à rápida transposição para lei.

O Centro para a Justiça e Direito Internacional afirmou que a decisão do tribunal é de "enorme transcendência para guiar" os Estados americanos. Mas, nas Honduras, um dos vicepresidentes do Parlamento já afirmou que o parecer não é vinculativo e que a Constituição do país não reconhece o casamento homossexual.

A Argentina foi o primeiro país latinoamericano a autorizar a união civil entre pessoas do mesmo sexo, em 2010, bem como o direito à adoção. Em 2015, a comunidade LGBTI conquistou os mesmos direitos, bem como a possibilidade de mudança de identidade nos documentos oficiais, embora continue a reivindicar a tipificação da homofobia como crime.

Nos Estados Unidos, também em 2015, o Supremo Tribunal deu o seu aval ao casamento homossexual, ao ilegalizar leis discriminatórias em 14 Estados.