Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Juncker critica ações da Turquia junto de Chipre e Grécia

Juncker critica ações da Turquia junto de Chipre e Grécia
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia volta a criticar a Turquia pelas manobras marítimas hostis junto de dois dos seus Estados-membros, primeiro com a Chipre, por causa da exploração de gás nas águas da ilha cujo um terço é controlado pela Turquia, e depois com a Grécia, por causa de ilhas no mar Egeu.

"Estou completamente contra o comportamento da Turquia"

Jean-Claude Juncker Presidente da Comissão Europeia

O primeiro-ministro turco, Binali Yıldırım, promete dialogar, dizendo que "recentemente verificou-se um aumento da tensão devido a violações junto ao rochedos de Kardak, às quais respondemos". 

"Chegámos a um acordo com a Grécia para aliviar as tensões e manter a linha de comunicação aberta através de canais políticos e diplomáticos, em prol do entendimento mútuo", acrescentou o chefe de governo.

Por seu lado, o ministro da defesa grego, Panos Kammenos, também está aberto ao diálogo, mas deixa um aviso.

"A Grécia é o país que, embora tenha sido atacado várias vezes pela Turquia, apoia a adesão desse país à União Europeia. Mas a Grécia também é um país que deve defender a sua integridade territorial e as fronteiras da Europa", afirmou, à euronews, o ministro que se encontra em Bruxelas para uma reunião da NATO.

Questionado sobre esta tensão, durante uma conferência de imprensa, na quarta-feira, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker foi direto, dizendo que "estou completamente contra o comportamento da Turquia".

A divisão de Chipre entre soberania cipriota-grega e cipriota-turca (que apenas é reconhecida pela Turquia) é um dos problemas mais delicados entre a Turquia e a União Europeia. As duas partes vão tentar melhorar a relação numa cimeira, em março, na Bulgária.