EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Sul-africanos reagem a demissão de Jacob Zuma

Busto do antigo presidente sul-africano Nelson Mandela
Busto do antigo presidente sul-africano Nelson Mandela
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Muitos sul-africanos vêm o afastamento de Zuma como uma oportunidade de progresso para o país.

PUBLICIDADE

Na África do Sul, tudo aponta para que o presidente interino Cyril Ramaphosa venha a substituir Jacob Zuma na presidência do país.

Muitos sul-africanos veem o afastamento de Zuma como uma oportunidade de progresso.

"A corrupção tem sido um dos nossos principais problemas e é por isso que foi uma boa decisão do ANC e da República da África do Sul. Vamos esperar que quem venha a seguir, seja Cyril ou quem vier a ganhar as próximas eleições, ajude o país a seguir em frente" diz Moagi Tladinyane, um jovem residente em Joanesburgo.

Outros vêm aqui uma oportunidade para o país se unir atrás de um novo presidente.

"A demissão de Zuma significa que nos podemos unir, não apenas o ANC mas o país inteiro. Penso que foi o melhor que podia fazer, pelo ANC e pela África do Sul", adianta uma estudante, Phumza Mjilana.

"O rand ficará fortalecido porque foi o que aconteceu quando Cyril Ramaphosa foi eleito, A moeda automaticamente saiu fortalecida, os investidores queriam investir mais. Acho que temos que dar a outra pessoa a possibilidade de fazer face aos desafios que enfrentamos na África do Sul", afirma Precious Kubheka, igualmente estudante.

O antigo presidente sul-africano, Nelson Mandela, deixou obra feita e preencher este vazio não será fácil, seja quem for o próximo presidente sul-africano. João Ferreira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jacob Zuma demite-se da presidência da África do Sul

África do Sul: Cyril Ramaphosa é o novo líder do ANC

Partido que libertou a África do Sul do "apartheid" perdeu as eleições gerais 30 anos depois