Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Isabel dos Santos diz que os usurpadores da Sonangol estão de volta

Isabel dos Santos diz que os usurpadores da Sonangol estão de volta
Direitos de autor
REUTERS/Toby Melville
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A ex-presidente do conselho de administração da Sonangol, Isabel dos Santos, considerou as acusações da atual administração como "uma campanha generalizada e politizada" e que demonstram um regresso "dos interesses das pessoas que enriqueceram" à custa da petrolífera angolana.

A empresária angolana, que foi presidente do Conselho de Administração da petrolífera estatal entre junho de 2016 e novembro de 2017, respondeu em comunicado, às acusações feitas pelo sucessor, Carlos Saturnino, na conferência de imprensa realizada a 28 de fevereiro, sobre o estado atual da Sonangol, no âmbito dos 42 anos de existência da companhia.

Na conferência de imprensa, Carlos Saturnino acusou a antiga administração de ter realizado uma transferência de 38 milhões de dólares já após ter sido exonerada, denúncia que levou a Procuradoria-Geral da República a abrir um inquérito.

"Retorno em força da cultura de irresponsabilidade e desonestidade que afundaram a Sonangol"

"Esta campanha generalizada e politizada contra mim, faz-me acreditar que estão de retorno os interesses das pessoas que se enriqueceram de bilhões à custa da Sonangol. São estes que hoje fomentam e agitam a opinião pública de forma poder retomar os velhos hábitos", lê-se no comunicado de Isabel dos Santos, distribuído no final de domingo.

A filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, escreve que foi "com espanto" que acompanhou as declarações proferidas pelo atual presidente da Sonangol, pelo que não podia deixar de demonstrar a sua "total indignação, com a forma como, sob o título de "Constatações/Factos" foram feitas "acusações e insinuações graves, algumas das quais caluniosas" contra a "honra" e o "trabalho sério, profissional e competente" que a equipa do anterior conselho de Administração desenvolveu ao longo de 18 meses.

Segundo Isabel dos Santos, "após quatro slides muito genéricos e superficiais sobre a performance da empresa e do setor petrolífero em Angola, a conferência de imprensa rapidamente deixou de concentrar naquilo que deveria ser o seu propósito".

"Durante anos aproveitaram fortunas ilegítimas à custa da Sonangol e agora querem distrair a opinião pública"

Para a empresária, as tentativas de Carlos Saturnino - que tinha sido anteriormente exonerado de funções na Sonangol por Isabel dos Santos - de reescrever a história são consequência, no seu entender, "de um retorno em força da cultura de irresponsabilidade e desonestidade que afundaram a Sonangol em primeiro lugar".

Acrescenta que "o grau de agressividade e as campanhas difamatórias reproduzidas, e em perfeita coordenação com os órgãos de imprensa da oposição, e com as oficinas de manipulação das redes sociais, demonstram que há um verdadeiro nervosismo em alguns meios".

"Meios estes, com interesses financeiros, que durante anos aproveitaram fortunas ilegítimas à custa da Sonangol, e agora tudo fazem para que o escândalo da minha acusação difamatória distraia a opinião pública de ver os verdadeiros responsáveis", refere o comunicado.

A empresária termina afirmando que o problema da Sonangol, "não é, e nunca será Isabel dos Santos, mas sim a irresponsabilidade da gestão, e das entidades que beneficiaram de contratos leoninos e ganharam milhões, e hoje esperam poder continuar a gozar e viver desta prevaricação".

Na conferência de imprensa, Carlos Saturnino acusou a gestão de Isabel dos Santos de gastos exorbitantes em serviços de consultoria, em remunerações salariais dos administradores, bem como a falta de transparência no processamento salarial.

Sobre estas e outras acusações, Isabel dos Santos respondeu que o investimento realizado em consultoria foi o mais baixo até à data e traduziu-se em valor acrescentado e com impacto concreto da rentabilidade da Sonangol.

Este impacto, referiu, levou à identificação de mais de 400 iniciativas de redução de custos e mais de 50 iniciativas de aumento de receitas, as quais, conjuntamente, afirmou, permitiram melhorar os resultados em 2.200 milhões de dólares.

"Conforme afirmado pelo atual conselho de administração, o resultado da minha gestão exercida até 15 de novembro de 2017, resultou num aumento de lucros da Sonangol em 177%, e atingiu 224 milhões de dólares, e a dívida foi reduzida em 50%", sublinha o comunicado.

(Lusa)