Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Primeiros civis feridos retirados de Ghouta Oriental

Primeiros civis feridos retirados de Ghouta Oriental
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi com ataques aéreos como pano de fundo, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que os primeiros civis feridos ou doentes começaram a ser retirados do enclave de Ghouta Oriental, esta terça-feira.

Já estão a ser acompanhados por pessoal médico depois da criação de um corredor graças a um acordo alcançado entre o principal grupo rebelde - Jaish al-islam - e a Rússia.

Fazem parte de uma lista de cerca de mil pessoas que responsáveis da ONU disseram precisar de tratamento de emergência.

Esta segunda-feira, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que o país está preparado para agir na Síria se as Nações Unidas falharem na implementação do cessar-fogo.

Da Rússia já chegou o contra-ataque, por parte do ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov.

"Um novo ataque norte-americano como o do ano passado num aeroporto militar da Síria terá consequências bastante sérias. A embaixadora Nikki Haley tem de perceber que uma coisa é usar de forma irresponsável o microfone no Conselho de Segurança. Outra é exércitos russos e americanos terem canais de comunicação. Está claro o que pode ser feito através destes canais", disse Lavrov.

O exército fiel ao presidente Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia e o Irão, iniciou a 18 de fevereiro uma operação contra alegados terroristas em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco sob controlo dos opositores ao regime sírio.