EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Toys "R" Us estuda viabilidade do negócio em Portugal

Toys "R" Us estuda viabilidade do negócio em Portugal
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O director-geral em Portugal e em Espanha garante estar a trabalhar para garantir "a continuidade da actividade" nos dois países

PUBLICIDADE

A internet está a revolucionar o negócio dos brinquedos. A cadeia Toys "R" Us vai encerrar mais 900 lojas nos Estados Unidos e no Reino Unido. Uma decisão que ameaça lançar para o desemprego 36 mil trabalhadores.

A empresa confirmou, em comunicado, ter solicitado o pedido de aprovação ao Tribunal de Falências para dar início ao encerramento das lojas nos Estados Unidos. A empresa norte-americana dá, ainda, conta de um processo de reorganização e de venda em países como o Canadá, Alemanha e Áustria. A viabilidade do negócio em Portugal, França ou Espanha está, também, a ser analisada.

Em setembro, a Toys "R" Us contava com cerca de 1600 lojas em todo o mundo e empregava 65 mil trabalhadores, cerca de metade nos Estados Unidos. Números que vão precisar de ser actualizados dentro em breve já que, no Reino Unido, está previsto o encerramento de uma centena de lojas nas próximas semanas. Na origem da decisão, o elevado endividamento da Toys "R" Us e a concorrência dos gigantes online.

Criada em 1948, a cadeia de brinquedos chegou a Portugal em 1993. O director-geral em Portugal e Espanha garante estar a trabalhar para garantir "a continuidade da actividade" nos dois países.

Seis meses depois de ter declarado falência, a empresa que durante anos foi uma referência no mundo dos brinquedos não conseguiu encontra um comprador, nem reestruturar a dívida com os credores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hasbro compra produtora de "Peppa Pig"

Emprego em máximos históricos: Portugal tem mais de 5 milhões de trabalhadores

Grécia: greves contra desemprego e baixos salários