Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Taxistas belgas protestam contra projeto que "favorece" Uber

Taxistas belgas protestam contra projeto que "favorece" Uber
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 650 táxis quase paralisaram Bruxelas, terça-feira, em protesto contra um projeto para conceder licenças de serviço privado de transporte a indivíduos e não apenas a empresas ou cooperativas. A Federação Belga de Táxis considera que favorece plataformas como o Uber e precariza os assalariados de empresas de táxi.

"Nos últimos três anos, o salário diminuiu entre 30 a 40 por cento. Não conseguimos pagar os impostos e a renda da casa"

Motorista de táxi Bruxelas

Afetado pelo caos no trânsito, um residente queixou-se que "não é normal, não é justo para nós que também trabalhamos e que temos de nos deslocar. Hoje fui forçado a não trabalhar por causa disto ".

Os taxistas queixam-se de falta de diálogo com o executivo que administra a região metropolitana de Bruxelas, uma das mais caóticas em termos de trânsito na União Europeia.

"Nos últimos três anos, o salário diminuiu entre 30 a 40 por cento. Não conseguimos pagar os impostos e a renda da casa", queixou-se um dos motoristas de táxi à euronews.

A sucursal da Uber para a Bélgica diz que o projeto vai dar mais oferta aos utentes.

Um dos entrevistados pela euronews defende este serviço contratado pela Internet "porque oferece um serviço melhor do que o táxi, no sentido de que nos dá maior confiança, porque sabemos mais sobre quem nos transporta, muitas vezes é mais barato e podemos seguir a rota online".

Perante as críticas dos taxistas de que o Uber tem menos custos e paga menos impostos, a sucursal na Bélgica argumenta que tem de pagar licenças e dar formação.

Um dos motoristas Uber explica, ainda, que "cada corrida que fazemos para o Uber ou para uma plataforma similar fica registada porque é paga com cartão de crédito. O Estado fica a saber, realmente, quanto ganhamos num ano, o que não acontece sempre com os táxis".

Cerca de 70 por cento dos 1100 motoristas de táxi são assalariados e a Federação Belga de Táxis diz que o projeto vai conduzir à precarização sócio-económica destes profissionais.