Última hora

Última hora

Polónia, terra de start-ups

Em leitura:

Polónia, terra de start-ups

Polónia, terra de start-ups
Tamanho do texto Aa Aa

As novas empresas polacas estão a contribuir para o crescimento económico deste país de forma contínua.

Um estudo da Startup Poland aponta para as empresas de tratamento de dados, de alta ecnologia e de biotecnologia como os setores mais importantes.

Quase metade destas startups exportam o que produzem e cerca de um quarto conta com pessoal estrangeiro.

Visitámos um Google Campus, situado numa antiga fábrica de vodka, em Varsóvia, onde foi desenvolvido o sistema Quotiss, que permite organizar a carga de grandes navios. Um sistema totalmente concebido na Polónia.

Fomos depois até Łódź, a sudoeste de Varsóvia, onde visitámos mais um centro de desenvolvimento tecnológico.

A United Robots desenvolve cyborgs com sistema de navegação por laser. Podem ser usados em tarefa como as limpezas e arrumação, a arrumação de prateleiras de supermercados ou a organização de arquivos. A United Robots desenvolve a inteligência artificial.

Ficámos também a conhecer uma empresa polaca que ajuda start-ups que considera com potencial.

A SpeedUp foi fundada por três jovens empreendedores para investir em projetos como uma aplicação para livros digitais, os e-books.

Explicaram à Euronews que investem “naquela fase em que a empresa não consegue gerar lucro” e que “procuramos grandes empreendedores e grandes talentos.”

Em suma, uma combinação de capacidades técnicas e de espírito de empreendedorismo, mas também vontade de batalhar para construir grandes projetos.

A SpeedUp ajuda projetos de pessoas que não temem começar de novo. É o que acontece com os responsáveis de uma aplicação chamada StetHome, um estetoscópio que pode ser usado em casa.

Pode ajudar médicos e pacientes a identificar situações nos pulmões, algo muito importante, especialmente no caso das crianças, para sabermos se devem ser usados antibióticos ou não.

E se precisar de um médico, a aplicação Doc Planner pode ajudar. Um sistema em rede que permite conhecer o perfil do profissional. Mais um caso de sucesso, que já chegou à América Latina.

E se não for preciso um médico, mas uma boa noite de sono?

Para isso existe a Nightly, uma aplicação para substituir comprimidos, nem sempre necessários. Um projeto ainda em teste que conta com doze pessoas, de médicos a psicólogos.

A aplicação utiliza a estimulação pelo som para estimular o sono.

Os responsáveis pela Nightly explicaram à Euronews que gostariam que a aplicação fosse reconhecida como de utilidade médica. E que fosse uma espécie de alternativa aos comprimidos.