Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Putin toma posse como Presidente da Rússia pela quarta vez

Putin no Kremlin para a tomada de Posse como Presidente pela 4ª vez
Putin no Kremlin para a tomada de Posse como Presidente pela 4ª vez -
Direitos de autor
REUTERS/SPUTNIK
Tamanho do texto Aa Aa

Perante 6 mil convidados, Putin subiu ao púlpito e com a mão direita pousada na Magna Carta, jurou respeitar e defender os Direitos e Liberdades dos cidadãos, defender a soberania do país e fazer cumprir a Constituição.

"O meu objetivo de vida é servir o povo e a pátria"

Vladimir Putin Presidente da Rússia

O Presidente russo referiu também que o país aprendeu a defender os seus interesses e recuperou o orgulho pela pátria e pelos valores tradicionais.

Putin revelou ainda o seu foco nos próximo 6 anos.

"O nosso objetivo é ter uma Rússia para todos, um país onde os sonhos de cada um se poderão concretizar. Enquanto Chefe de Estado, farei o meu melhor para aumentar a força, a prosperidade e a glória da Rússa"

Putin foi reeleito em Março, com mais de 76 por cento dos votos.

Quando terminar o mandato de 6 anos, terá estado no poder 24 anos (como Presidente e Primeiro-ministro) superando assim o ditador Estaline como o governante que mais tempo esteve no Kremlin.

Uma sondagem publicada hoje pelo Centro Levada, uma organização independente russa, revela que cerca de metade dos russos (47%) considera que nos 18 anos que já leva no poder, incluindo o período em que foi primeiro-ministro do país (2008-2012), Putin conseguiu devolver o país à condição de grande potência mundial.

Por outro lado, 45 por cento dos inquiridos diz que o presidente russo não conseguiu garantir uma distribuição mais justa da riqueza do país.

Para este último mandato como Presidente, Putin definiu como prioridade tirar a Rússia do atraso económico sem modificar a política externa.

No último discurso do Estado da Nação, Putin admitiu que a Rússia ainda é um país com 30 milhões de pobres e tem um atraso tecnológico. Propõe-se superar estes problemas durante este mandato e alcançar o Ocidente em termos de riqueza e de desenvolvimento tecnológico.

Os analistas acreditam que Putin deverá iniciar reformas dolorosas na sociedade russa. Reformas como o aumento da idade da reforma, a subida dos impostos para as empresas e cidadãos, a redução do papel do Estado na Economia e dar mais liberdade à iniciativa privada. Medidas que tem vindo a falar há vários anos e que, se forem postas em prática, deverão afetar a sua até agora inquestionável popularidade,

Ao nível da política da externa, não se prevêm alterações. O conflito no leste da Ucrânia deve manter-se, tal como a ajuda de Moscovo às forças populares do Ocidente, que alimentam as acusações de ingerência nos processos eleitorais e que tiveram como consequência as sanções económicas internacionais que o país sofre.

A tomada de posse de Vladimir Putin aconteceu um dia depois de cerca de 1.600 opositores ao presidente russo ter sido detidos, incluindo o líder da oposição política no país, Alexei Navalny.

As detenções aconteceram durante os protestos de rua, realizados em mais de 90 cidades russas e que foram convocados por Navalny para contestar o que diz ser o estilo autocrático de Vladimir Putin.

O Conselho da Europa - instituição paneuropeia da qual a Rússia faz parte - já veio pedir a libertação destes opositores políticos pacificos, ao mesmo tempo que diz estar preocupado com a ação violenta da polícia e com as detenções massivas nestes protestos.