Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cannes rende-se a realizador japonês

Cannes rende-se a realizador japonês
Direitos de autor
REUTERS/Jean-Paul Pelissier
Tamanho do texto Aa Aa

No final das contas as polémicas "hollywoodescas" não foram suficientes para que as mulheres se impusessem em Cannes. A Palma de Ouro acabou por ser entregue ao cineasta japonês Hirokazu Kore-eda, e a um filme sobre uma família de pequenos criminosos que adota uma criança que encontram na rua:

"É incrível levar este presente para toda a equipa, para todos aqueles que ficaram no Japão. Quando soube que era Palma de Ouro fiquei impressionado, é incrível. Agora tenho de voltar para o mundo real e continuar a colocar todo o meu amor no meu trabalho como cineasta e fazer filmes que continuem a ter integridade", diz o realizador.

Ainda assim, as mulheres estiveram em destaque, nas intervenções que foram sendo feitas ao longo do certame. Asia Argento afirmou ter sido violada por Harvey Weinsteins em Cannes em 1997.

O segundo prémio foi para Spike Lee, e o seu Black Klansman, que conta a história real de um detetive negro que se infiltrou na Klu Klux Klan nos anos 70, do século passado, no Colorado.

A atriz libanesa, que virou realizadora, Nadine Labaki, levou para casa o terceiro prémio do certame francês com Capharnaum, que nos leva às favelas mais pobres de Beirute:

"Este tipo de plataforma, este reconhecimento, penso que vai ajudar essa voz a ressoar ainda mais. Se é ingénuo pensar que este filme pode mudar alguma coisa na vida real? Não sei, mas se for capaz de abrir o debate, talvez seja um começo", refere a cineasta.

O prémio de melhor atriz foi para a cazaque Samal Yesly-amova, pelo seu poderoso desempenho em Ayka de Sergey Dvortsevoy:

"Fiquei muito feliz em trabalhar com este realizador, sou-lhe muito grata , porque só ganhei este prémio por causa dele e do seu trabalho", adianta a consagrada atriz.

O italiano Marcello Fonte levou para casa a Palma de melhor ator, pela interpretação de um criminoso em Dogman de Matteo Garrone:

"Sinto-me reconhecido, é como se tudo aquilo para que trabalhei até agora tenha sido reconhecido. Eu estava preocupado como o para onde vou agora, mas este prémio é a prova de que eu estava no caminho certo", afirma o ator galardoado.

Cannes despede-se. Para o ano há mais.