Última hora

Última hora

"Ninguém quer um retorno aos horrores da guerra"

Juan Manuel Santos entrevistado por Ana Lázaro Bosch
Juan Manuel Santos entrevistado por Ana Lázaro Bosch
Tamanho do texto Aa Aa

No poder desde 2010, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, está prestes a passar o testemunho. A segunda volta das eleições presidenciais tem lugar no dia 17 de junho. A euronews aproveitou a passagem de Juan Manuel Santos por Bruxelas para fazer um balanço dos últimos oito anos de presidência.

"O importante é que o processo avance e que seja irreversível"

Juan Manuel Santos Presidente da Colômbia

Ana Lázaro Bosch (euronews): O seu mandato enquanto presidente da Colômbia está prestes a chegar ao fim . Sem dúvida de que um dos legados da sua presidência é o acordo de paz com as FARC. Vê isso como um processo irreversível?

Juan Manuel Santos: Ninguém quer um retorno aos horrores da guerra. O Tribunal Constitucional emitiu um decreto no qual diz que durante os próximos três governos, nenhum presidente ou parlamento poderá aprovar leis que vão contra o cumprimento dos acordos.

euronews: Mas, precisamente, a Colômbia está prestes a votar na segunda volta das eleições e um dos candidatos, Iván Duque, afirma que pretende modificar o acordo. Acha que isto pode comprometer todo o processo?

JMS: Ele começou, em conjunto com o seu partido político, por dizer que pretende destruir completamente o acordo. No entanto, eles têm vindo a mudar de posição e agora só querem fazer algumas alterações. Que alterações são estas? Se for para melhorar o acordo, então tudo bem; mas se for para mudar tudo, eles não o poderão fazer.

euronews: O outro candidato vem da esquerda, Gustavo Petro, e algumas pessoas dizem que a Colômbia poderá seguir o caminho do Chavismo. Será possível?

JMS: Essa ideia começou a circular há algum tempo, eles até disseram que eu estava a tentar colocar o país sob o jugo do que descreveram como o Castro-Chavismo. Foi uma ameaça que muitos promoveram a fim de criar medo. Tudo isto com o objetivo de obter um resultado eleitoral.

euronews: Gostava de lhe perguntar qual foi o preço deste acordo de paz? Porque se por um lado lhe mereceu o Prémio Nobel da Paz, por outro, também gerou muitas críticas a nível interno; por vezes das próprias vítimas.

JMS: Não foi tanto das vítimas. As vítimas têm-me apoiado. Isso foi uma lição importante; isso ensinou-me que as vítimas são as mais generosas porque não querem que mais colombianos sofram o que eles sofreram... As críticas são normais porque num processo deste tipo há que tomar uma decisão: onde definir a linha entre justiça e paz? Vai haver sempre aqueles que querem mais justiça e aqueles que querem mais paz. Há sempre quem critique. O importante é que o processo avance e que seja irreversível.

euronews: Gostava de falar das relações entre a Colômbia e a Venezuela. De momento, existe um milhão de venezuelanos que fugiram para a Colômbia. Como é que este fluxo é gerido?

JMS: Com os venezuelanos, abrimos os nossos corações e braços porque temos que prestar apoio.
Mas com o regime que é a origem desta crise humanitária, a maior crise da história da Venezuela, somos implacáveis.

euronews: Outra questão em aberto na Colômbia é a erradicação da cultura da coca. O senhor trabalhou neste sentido, o que pensa que o seu sucessor teria que fazer?

JMS: Estamos envolvidos na luta contra a cultura da coca há 30 anos, fumigações, erradicações forçadas, outros sistemas. Mas enquanto as famílias de camponeses não tiverem uma alternativa, eles regressam à coca porque não têm mais nada. Agora com o processo de paz, o estado pode chegar a áreas onde antes não era possível. Se aproveitarmos isso, e estamos a fazê-lo, se incentivarmos os camponeses a substituirem voluntariamente uma cultura por outra, por exemplo, eu troquei a coca e agora produzo cacau, café ou milho, então isso transforma-se numa solução estrutural.