Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

As desigualdades salariais na Europa

As desigualdades salariais na Europa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As desigualdades estão a aumentar na Europa. Os 20% de trabalhadores que se encontram no topo da tabela salarial ganham cinco vezes mais do que os 20% com menores salários.

A desigualdade resulta da progressão mais rápida dos salários mais altos e de um aumento menor dos salários mais baixos. O crescimento lento dos salários mais baixos tem sido um dos principais problemas da Europa depois da crise. Esta situação é particularmente visível em Portugal e na Roménia, mas também em Itália e na Alemanha.

Se considerarmos os empregos criados na União Europeia desde 2013, vemos que quase três milhões de empregos pertencem à categoria dos salários altos e 800 mil empregos pertencem à categoria dos salários médios. Mas, há cerca de um milhão e meio de empregos na categoria dos salários baixos. A tendência é visível em vários países. Além das diferenças entre os salários maiores e os menores, há também a desigualdade salarial homem-mulher que ronda os 16% na União Europeia.

A fuga dos jovens na Letónia

Na Letónia, ganha-se, em média, quatro euros à hora, três vezes menos do que a média da União Europeia. A desigualdade salarial é mais elevada do que nos restantes países. E os jovens imigram à procura de melhores salários. Este ano, o governo letão decidiu aumentar o salário mínimo para 430 euros por mês, para ajudar as famílias com menores rendimentos. Em termos salariais, a Letónia é um país de extremos.

"Se considerarmos o PIB per capita, em Riga, o nosso nível é similar ao do Reino Unido, em média. Mas, nas províncias de Leste, a quatro horas da capital, o nosso PIB per capita é semelhante ao da África do Sul. A taxa de desemprego em Riga é de 4 a 5% mas em Latgale é de 18%. As perspetivas de emprego, carreira e rendimentos são superiores no Reino Unido, na Alemanha e em França. Estamos a ficar um país de velhos", considerou Vjačeslavs Dombrovskis, presidente do Diretório do grupo de reflexão política Certus.

Para incitar os jovens a ficarem no país, o governo da Letónia decidiu investir na educação e na formação, privilegiando os setores das novas tecnologias da informação e da comunicação.

"É uma indústria em crescimento. O governo investe porque as regras do jogo, as regras comerciais e a legislação fiscal, são competitivas, mais competitivas do que nos mercados alvo onde podemos impor-nos. As perspetivas de uma empresa na área das tecnologias da comunicação são positivas a 100%", frisou Janis Rocens, presidente da SWH SETS.

Salários mais elevados, mais formação para melhorar a empregabilidade e um ministério dedicado à diáspora para travar à saída dos jovens. São as medidas implementadas pelo estado letão para dar oferecer aos jovens um futuro melhor e salvar o país do declínio demográfico.

A visão da Confederação Europeia dos Sindicatos

Para aprofundar o tema da desigualdade salarial, entrevistámos o secretário-geral da Confederação Europeia dos Sindicatos, Luca Visentini, em Bruxelas.

euronews: "Lançámos-lhe o desafio de nos trazer um objeto que represente a desigualdade. Qual foi?"

Luca Visentini: "Escolhi esta bela bicicleta que me foi oferecida como prenda quando fui eleito secretário geral da confederação em 2015. Simboliza o caminho para a igualdade. Temos de pedalar para chegar à igualdade. Decidi colocar no cesto da bicicleta o meu cartão de segurança social da Bélgica, algo que nem toda a gente tem. É também um símbolo do longo caminho a percorrer para atingir a igualdade, mesmo em países desenvolvidos do ponto de vista da proteção social e dos direitos como é a Bélgica".

euronews: "A desigualdade afeta o crescimento dos países?"

Luca Visentini: "Absolutamente. A desigualdade reduz a produtividade e a competitividade, e, infelizmente, não torna o mercado de trabalho mais eficiente. A desigualdade obriga a gastar o orçamento público para ajudar os trabalhadores precários que não têm reformas, no final da carreira, e as pessoas que não têm subsídio de desemprego ou que estão em situação de pobreza. Todas essas pessoas precisam de apoio público, o que consome recursos que podiam ser investidos. No final, é um círculo vicioso que destrói o potencial de crescimento da economia".

euronews: "O nó do problema é a fragilidade da negociação coletiva na Europa?"

Luca Visentini: "O problema não é o facto de os sindicatos terem menos força mas o facto de os sistemas de negociação coletiva terem sido atacados durante a crise, na sequência das medidas de austeridade. O desmantelamento dessas instituições leva não só ao enfraquecimento dos sindicatos mas também ao enfraquecimento das associações de empregadores. Quando os parceiros sociais são fracos, é muito difícil gerir a evolução da economia de modo a reduzir as desigualdades".

euronews: "É o líder dos sindicatos, na Europa. Mas, se olharmos para o resto do mundo, podemos concluir que a própria natureza da globalização leva à redução dos salários?"

Luca Visentini: "Se olharmos para uma empresa e para os custos de produção e exportação, a componente salarial é muito baixa, entre 5 a 15%, o restante é investimento, especialmente, em inovação tecnológica, digitalização e automação dos processos e também em qualidade da produção. São esses os elementos que fazem a diferença em termos competitivos. As exportações representam metade do problema, a outra metade é o consumo interno. Se aumentarmos os salários de acordo com a produtividade, estimulamos as exportações e a procura interna. Deste modo, o modelo de crescimento económico torna-se sustentável no longo prazo e os parceiros sociais fazem parte da solução. Se o conseguirmos fazer, poderemos recuperar a confiança na União Europeia".

Real Economy | Inequality