EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Presidente do Conselho Europeu procura consenso na UE sobre migrantes

Presidente do Conselho Europeu procura consenso na UE sobre migrantes
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters / AFP / Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Tusk propõe criação de centros de triagem fora das fronteiras europeias, para que seja feita separação entre migrantes económicos e refugiados.

PUBLICIDADE

A dois dias do Conselho Europeu, Donald Tusk acelera os esforços para alcançar um consenso em torno da politica de migrações na União Europeia (UE). 

O presidente do Conselho Europeu faz esta terça-feira uma paragem em Berlim, para uma reunião com a chanceler alemã, Angela Merkel, depois do encontro com a primeira-ministra britânica, Theresa May, e com o chefe de Estado francês Emmanuel Macron.

Donald Tusk propõe a criação de plataformas de desembarque regionais, ou seja, centros fora das fronteiras europeias, onde seja possível fazer uma triagem entre migrantes económicos e refugiados de guerra que procuram asilo.

O tema juntou os líderes europeus na mini-cimeira informal de domingo. No final da reunião, Angela Merkel, afirmou que existe “muito boa vontade” para discutir os desacordos sobre as migrações na UE."

O tema das migrações domina a agenda do Conselho Europeu em 28 e 29 deste mês e divide os Estados-membros, nomeadamente no que respeita às regras para acolhimento de refugiados e concessão de asilo.

Merkel e outros 15 líderes europeus encontraram-se em Bruxelas para discutir as políticas de imigração que dividem o bloco comunitário, sobretudo desde a chegada de mais de um milhão de migrantes em 2015.

Durante a reunião, Merkel e o presidente francês, Emmanuel Macron, apelaram a acordos entre vários Estados membros face ao desafio migratório e à ausência de consenso que tem paralisado a UE.

A Itália acentuou as diferenças no quadro europeu, ao recusar a entrada de mais de seiscentos migrantes resgatados no Mediterrâneo, pelo navio Aquarius, que acabou por atracar em Espanha, depois de vários dias no mar.

A posição de força tem sido reafirmada pelo ministro do interior italiano.

De visita a Tripoli, Matteo Salvini defendeu a criação de centros de acolhimento na fronteira sul da Líbia, adiantando que vai participar, esta semana, numa missão técnica conjunta com o Níger, Mali, Chade e Sudão. 

Salvini insiste na ideia de que a Itália não vai ser o "campo de refugiados da Europa".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Salvini quer ver gestos concretos

Salvini anuncia campo de identificação de migrantes na Líbia

França e Espanha querem "centros fechados" para migrantes