Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Bruxelas "pronta para ajudar Itália" no caso Diciotti

Bruxelas "pronta para ajudar Itália" no caso Diciotti
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia diz que apoia Itália na gestão do caso Diciotti, a embarcação militar italiana há cinco dias no Mar Mediterrâneo, sem destino definido, com mais de 170 migrantes a bordo. Ao fim da tarde, o ministro das Infraestruturas, Danilo Toninelli, disse que o Diciotti poderia atracar no porto siciliano de Catania, o que foi negado, posteriormente, pelo colega da Administração Interna, Matteo Salvini.

"A Comissão Europeia foi contactada pelas autoridades italianas por causa da embarcação com mais de 170 migrantes a bordo," disse aos jornalistas a porta-voz Tove Ernst.

"Tal como fizemos em ocasiões semelhantes, estamos preparados para oferecer apoio nas tarefas de coordenaço entre países que estejam dispostos a assumir esforços de solidariedade," continuou.

A porta-voz adiantou também que a Comissão já entrou em contacto com vários Estados membros, sem especificar quais. Tanto Itália como Malta rejeitaram receber o navio o que provocou tensões entre Roma e Valetta.

Danilo Toninelli, ministro italiado para as Infraestruturas, via rede social Twitter, que "o barco Diciotti vai atracar em Catania. Os homens valentes da Guarda Costeira cumpriram com o seu dever, salvando vidas humanas a apenas 17 milhas da ilha de Lampedusa."

A informação foi posterioemente desmentida pelo ministro do Interior (Administração Interna), Matteo Salvini. Ao fim da tarde desta segunda-feira, o impasse era evidente em Itália.

Guarda Costeira italiana apreensiva

À Euronews, Antonello Ciavarelli, da guarda costeira italiana, insistiu na necessidade de que fosse estabelecido um acordo entre diversos Estados europeus para o acolhimento dos migrantes. Disse também que a responsabilidade não pode cair sobre a tripulação:

"É hora que, a nível europeu, se tomem decisões, porque não é possível que quarenta pessoas da tripulação sejam os responsáveis pela solução de problemas que dizem respeito aos políticos."

Bruxelas recordou que o resgate é um assunto de Direito Internacional, que compete às diferentes autoridades nacionais e não ao bloco regional europeu.