Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Reino Unido: reações aos planos de Chequers

Reino Unido: reações aos planos de Chequers
Tamanho do texto Aa Aa

A primeira-ministra britânica regressou da sua digressão de intuito comercial por países africanos mas em casa não a esperam boas notícias.

De regresso para mais uma sessão parlamentar de duas semanas, Boris Johnson afirmou no domingo num dos principais tabloides que o acordo de Chequers é um "colete-suicida," um desastre e uma humilhação, que concede a vitória à União Europeia.

Theresa May afirmou no dia anterior no mesmo jornal que não vai desistir dos seus planos para o brexit nem na União Europeia nem em casa e que não haverá um segundo referendo. A primeira-ministra está ciente da importância do dito plano para o seu governo e tinha afirmado anteriormente que não haveriam eleições antecipadas.

Se o impasse persistir nos próximos meses, um referendo ou mesmo eleições antecipadas poderão tornar-se a única solução.

Entretanto, David Davis, que também se demitiu do governo devido aos planos de Chequers, afirmou:

"Seria estranho demitir-me e depois votar nos planos. Na minha opinião, a proposta de brexit, e sublinho que se trata de uma proposta e não de um acordo, é pior ou quase pior do que ficar. O Reino Unido ficaria debaixo da jurisdição da União Europeia no que diz respeito a bens manufacturados e agro-alimentares, o que seria uma grave concessão. A União Europeia ditaria o nosso futuro, sem termos qualquer voz nesse futuro."