A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Juncker faz último discurso sobre Estado da União

Juncker faz último discurso sobre Estado da União
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Após as férias de verão, o discurso sobre o Estado da União Europeia marca a rentrée política nas instituições comunitárias. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, apresentará, quarta-feira, as prioridades para os próximos meses, pelo que a euronews pediu algumas opiniões nas ruas de Bruxelas.

Juncker está no poder há 25 anos, mas perdeu todo o contacto com os cidadãos

Jean Quatremer Jornalista, Libération, França

"Seria bom se pudessem lidar com os movimentos anti-imigração que estão a sugir por todo o lado. Isso diminuiria as divisões internas nos países", disse uma das entrevistadas.

"A Comissão Europeia deve fazer as coisas de modo a que o Reino Unido saia da União sem problemas, com todas as questões fronteiriças, e outras, em ordem. Vamos resolver o que tem que ser resolvido rapidamente, porque o processo já se arrasta há demasiado tempo", disse outro.

"Precisamos de uma melhor política orçamental na União para evitar que alguns países sejam mais beneficiados do que outros", foi a opinião de outro turista.

"É uma instituição de mentirosos e ladrões de primeira linha", afirmou uma transeunte.

O presidente da Comissão Europeia deverá colocar a segurança interna e o controlo da imigração no topo da agenda.

Um das prioridades é o reforço da Frontex, agência europeia de gestão de fronteiras, com destacamento de dez mil guardas, nos próximos anos.

Gerolf Annemans, eurodeputado belga eurocético, considera que Juncker está a chegar ao fim do mandato "com o que resta no fundo do saco das compras".

"Apresentará alguns pequenos compromissos. Mas já não tem capacidade de liderar a Europa da maneira que é necessária. A cooperação europeia está quase morta, ele deixou de ter qualquer credibilidade e devia ir-se embora", disse, em entrevista à euronews.

A Comissão Europeia também adotará medidas para evitar interferências nas eleições europeias de maio de 2019, ao nível das campanhas de desinformação e notícias falsas.

Juncker já anunciou que não se recandidata e num momento em que o populismo e nacionalismo aumentam em muitos Estados-membros, o seu legado é colocado em questão.

"Ele não entende a Europa de hoje, nomeadamente os problemas da imigração e os problemas das pessoas em geral. Está no poder há 25 anos, mas perdeu todo o contacto com os cidadãos", disse, à euronews, Jean Quatremer, jornalista no diário francês Libération.

O debate sobre o discurso de Juncker deverá servir, também, para os grupos políticos lançarem pistas sobre as suas prioridades para a campanha eleitoral.