Última hora

Última hora

"Vamos precisar de mais ajuda do que pensávamos nas Filipinas"

Em leitura:

"Vamos precisar de mais ajuda do que pensávamos nas Filipinas"

"Vamos precisar de mais ajuda do que pensávamos nas Filipinas"
Tamanho do texto Aa Aa

Por causa da passagem do tufão Mangkhut, as autoridades filipinas continuavam, no início desta semana, com a recolha de corpos e com o trabalho de busca e resgate de dezenas de desaparecidos.

Era o que acontecia, por exemplo, província de Benguet, onde equipas no terreno viam o resgate de cerca de 40 pessoas dificultado pela instabilidade do solo.

Neste caso, a maioria dos desaparecidos são mineiros que trabalham na região e que ficaram soterrados durante um deslizamento de terras que ocorreu enquanto se encontravam no interior da mina.

Lot Felizco, diretora da Oxfam Filipinas, disse à Euronews que o número de mortos deverá vir a aumentar e que a dimensão humana da tragédia ainda não é conhecida:

"O que temos aqui é a ponta do iceberg, porque só agora começam a chegar as notícias com mais detalhes. Esta semana, vamos saber mais sobre as áreas que, até ao momento, estavam inacessíveis. Por isso, temo que o número de mortos aumente e que precisemos de mais ajuda do que pensávamos no início."

Nas Filipinas, o tufão Mangkhut atingiu o norte do arquipélago, zona predominantemente rural, devastando comunidades inteiras, muitas com habitações precárias, assim como campos de arroz, essenciais para a subsistência dos habitantes.